Não há preocupação com depoimento de Pagot, diz Ideli

Diretor do Dnit afastado em meio à crise nos Transportes falará nesta semana ao Congresso Nacional

AE |

selo

AE
Ministra minimizou preocupações com depoimento de diretor afastado do Dnit, previsto para esta terça
A ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, saiu hoje em defesa do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e tentou minimizar as preocupações dentro do governo com declarações do diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), Luiz Antônio Pagot.

O diretor-geral teve seu nome envolvido em denúncias de corrupção na pasta dos Transportes e seu afastamento do cargo inclusive foi anunciado pelo governo. No entanto, Pagot entrou em férias do cargo. O chefe do Dnit vai comparecer amanhã ao Senado e na quarta-feira na Câmara para falar sobre as denúncias. Ele tem feito insinuações de que todas as obras tocadas pela estatal eram aprovadas antes pelo Planejamento, cujo titular era o ministro Paulo Bernardo.

"O Pagot cumpriu suas responsabilidades. De nossa parte não há nenhum tipo de preocupação", disse Ideli, após ser questionada se o governo estava com medo das declarações do diretor-geral. A ministra afirmou também que discordava da interpretação de que o PR, em especial o senador Blairo Maggi (MT), padrinho político de Pagot, esteja querendo "colocar a faca" no pescoço do governo. "Eu não tenho essa interpretação."

Ao defender o ministro Paulo Bernardo e comentar o fato de que setores do governo o enxergam como alvo de chantagem do PR, Ideli disse que "o ministério do Planejamento define as diretrizes do orçamento e não entra nos detalhes de cada ministério na questão de execução de obras".

Embora a ministra esteja dizendo que não há preocupação, o governo, segundo fontes, está preocupado sim e considera uma incógnita o depoimento de Pagot amanhã. No caso do Senado, o governo sabe que Pagot vai contar com a complacência de Blairo Maggi. Já na Câmara, cujo depoimento está marcado para quarta-feira, o governo acredita que pode ter problema, porque o controle é menor sobre os parlamentares. Ideli evitou comentar se Pagot, que no momento está em férias, está definitivamente fora do governo ou voltará. "Até o final das férias, ninguém pode ser afastado ou mantido."

A ministra disse que a decisão da escolha de quem ocupará definitivamente a pasta de Transportes, sob a chefia interina de Paulo Sérgio Passos, é da presidenta Dilma Rousseff , que não antecipou para sua equipe a decisão. Ideli relatou que, em encontro hoje da coordenação política, Dilma comentou sobre as investigações de suspeita de irregularidade nos Transportes, pasta que era comandada pelo PR, e não adiantou o que foi levantado até agora.

Na reunião da coordenação política, realizada no Planalto, o ministro interino da Fazenda, Nelson Barbosa, fez uma explanação sobre o cenário econômico internacional e as preocupações em relação às economias dos Estados Unidos e países europeus. Ideli relatou ainda que, no encontro, Dilma disse que é possível votar ainda nesta semana no Congresso a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

    Leia tudo sobre: Ideli Salvatticrise nos transportes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG