Na TV, Dilma diz que combaterá "malfeitos" sem trégua

Presidenta usa horário na TV para defender SUS e anunciar novos programas para a saúde pública

AE |

nullNo meio de mais uma crise política, com denúncias agora atingindo o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, a presidenta Dilma Rousseff disse hoje que vai fiscalizar gastos e combater "sem tréguas" desvios e malfeitos.

Leia também:

- PDT usa denúncia do iG em pedido de investigação contra ministro

- FHC deseja melhoras a Lula e critica pedido por tratamento no SUS

- Tratamento do câncer de Lula será pago com convênio médico

O comentário foi feito durante pronunciamento em rede nacional de rádio e TV em que a presidenta comentou ações voltadas para a área de saúde, anunciadas pela manhã em cerimônia no Palácio do Planalto.

"A implantação do Melhor em Casa e do SOS Emergências demanda tempo, dedicação e recursos. Temos uma orientação clara: fazer mais com o que temos e não ficarmos de braços cruzados esperando que os recursos caiam do céu. Para isso, vamos continuar a aperfeiçoar métodos, fiscalizar gastos, acabar com o desperdício e combater sem tréguas os desvios e malfeitos", disse a presidente.

Durante o pronunciamento, Dilma discorreu sobre os números da saúde no Brasil que, segundo ela, quando citados nas esferas internacionais, surpreendem os governantes de outros países. "O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que encarou o desafio de oferecer atendimento de saúde para todos".

O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que encarou o desafio de oferecer atendimento de saúde para todos", afirma Dilma

Segundo ela, dos 190 milhões de brasileiros, 145 milhões dependem exclusivamente do SUS para obterem tratamento de saúde. Isso significa, para o sistema de saúde, 1 milhão de internações e 500 milhões de consultas ao ano.

"Já ouvi algumas pessoas dizerem que é como enxugar gelo", disse a presidenta ao se referir aos programas.

Os programas

De acordo com Dilma, o governo conseguiu economizar nos seis primeiros meses deste ano cerca de R$ 600 milhões com a implantação de medidas, como a compra centralizada de medicamentos e a realização de auditorias. 

A presidente prometeu reduzir o tempo de espera para atendimento de emergência e de internação, além de aumentar o número de médicos na rede pública. Dilma ainda defendeu um pacto republicano na saúde, envolvendo o governo federal, Estados e municípios. 

Já o SOS Emergências pretende melhorar a gestão e o atendimento em hospitais da rede pública - a ação começa em 11 hospitais de grande porte neste ano. Já o Melhor em Casa é voltado para a ampliação do atendimento domiciliar pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

(Com Agência Brasil e Agência Estado)

    Leia tudo sobre: dilma rousseffsussaúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG