MPF fecha o cerco contra o crime virtual

Os Ministérios Públicos Federais de Roraima, Acre e Amazonas fazem parceria contra racismo e pedofilia na internet

Ricardo Gomes, iG Roraima |

O Ministério Público Federal (MPF) na região Norte fecha o cerco torna os crimes de preconceito e de pedofilia na internet. Nesta sexta-feira, na sede do Ministério Publico do Estado do Amazonas, em Manaus, os MPFs de Roraima, Acre e Amazonas, assinarão Termo de Cooperação Técnica neste sentido.

Os MPFs querem prevenir crimes contra crianças e adolescentes e crimes de preconceito, praticados através da rede mundial de computadores (internet). Participarão procuradores dos estados do Acre, Rondônia e Amazonas, além de Procuradores da República com atuação criminal.

Racismo

O Termo de Cooperação será assinado com a Safernet Brasil, uma associação civil de direito privado que atua em todo o território nacional. O MPF de Roraima afirmou ter recebido um grande número de denúncias de sites brasileiros com conteúdo racista e discriminatório.

Os crimes seriam praticados, principalmente, contra indígenas, negros e mestiços ou caboclos, população predominante no estado de Roraima, e nos demais estados da região norte. Segundo dados da Organização Não-Governamental italiana “Rainbow Phone”, o Brasil é o quarto país no mundo em número de sítios de pornografia infantil.

Roraima

Em julho de 2008 foi desarticulada em Roraima uma quadrilha que praticava crimes de pedofilia. O fato ganhou repercussão nacional e a operação recebeu o nome de Arcanjo. A Polícia Federal prendeu oito pessoas acusadas de pertencerem a rede de pedofilia.

No mesmo ano, os membros da CPI da Pedofilia vieram duas vezes ao Estado, sob a responsabilidade do Senador Magno Malta (PR) para ouvir pessoas envolvidas na rede de pedofilia. O processo que apura crimes de pedofilia tem oito réus, 19 vítimas e 67 possíveis fatos criminosos.

    Leia tudo sobre: política

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG