Motorista reafirma reunião entre Agnelo e ONGs

Geraldo Nascimento de Andrade disse em depoimento que objetivo era arrecadar R$ 150 mil para evitar publicação de reportagem

AE |

selo

AE
O ex-ministro dos Esportes, Agnelo Queiroz
A iminente descoberta do esquema de desvio de recursos do programa Segundo Tempo motivou uma reunião de emergência entre o então ministro do Esporte e atual governador do DF, Agnelo Queiroz, e dirigentes de ONGs beneficiadas.

Juntos, traçariam uma estratégia para evitar a publicação de irregularidades pela revista Veja e discutiriam o que fazer com o delator do esquema, Michael Alexandre Vieira da Silva, ex-funcionário do Instituto Novo Horizonte, uma das ONGs que recebeu recursos do programa.

É o que afirmou em depoimento prestado no ano passado, obtido pelo jornal O Estado de S.Paulo, Geraldo Nascimento de Andrade, que agora acusa Orlando Silva de participação no esquema.

Segundo ele, Agnelo se reuniu com o PM João Dias Ferreira, dono da Febrak, Miguel Santos Souza, contador que fornecia notas fiscais falsas para acobertar os desvios, e dirigentes de outras duas ONGs que se beneficiavam do esquema.

De acordo com o depoimento, a reunião ocorreu em abril de 2008 no endereço que servia de fachada para três empresas que forneciam notas fiscais frias usadas para comprovar o suposto cumprimento dos convênios firmados com o Ministério do Esporte.

Geraldo Nascimento contou à Polícia Civil que na reunião foi debatida uma forma de arrecadar R$ 150 mil para tentar evitar a publicação da matéria pela revista Veja, baseadas nas acusações feitas por Michael. A matéria foi publicada em abril de 2008. Discutiriam também o que fazer com o delator.

Algum tempo depois da reunião, João Dias encontrou-se com Michael. "João Dias lesionou a mão de Michael com o objetivo de forçar o mesmo a esclarecer com mais detalhes o que Michael teria dito à imprensa", contou Geraldo Nascimento.

Ele disse ao delegado responsável pelas investigações, Giancarlos Zuliani Júnior, que decidiu delatar o esquema porque soube, na semana anterior, da existência de um plano para matá-lo.

Agnelo negou ter participado dessa reunião. "A reunião jamais aconteceu, principalmente para explorar a questão de eventual publicação de matéria jornalística ou para definir destino de pessoas, matéria agressiva à honra e à história de Agnelo Queiroz", respondeu o governador.

Agnelo disse ainda que "nunca tratou de interesses de ONGs". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: orlando silvacrise no esporteAgnelo Queiroz

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG