Segundo a reportagem, Orlando Silva teria recebido dinheiro oriundo de desvios de programas federais na garagem do ministério

No centro dos preparativos para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 , o ministro do Esporte, Orlando Silva, rebateu neste sábado a notícia de que teria recebido propina como parte de um esquema de corrupção montado na pasta. De acordo com reportagem publicada pela revista Veja , o esquema seria orquestrado pelo PCdoB, sigla do ministro, com o intuito de desviar dinheiro público por meio de convênios com ONGs.

Leia também:
Fifa teme que denúncia atrapalhe negociações da Copa, diz jornal
Orlando Silva nega acusações e diz que permanece no ministério

Em Guadalajara, no México, para a abertura dos Jogos Panamericanos, o ministro disse à revista que ficou "perplexo" com a reportagem. "Confesso que estou chocado", declarou o ministro. Mais tarde, em entrevista coletiva, o ministro voltou a negar as acusações e garantiu que permanece no cargo .

Orlando Silva disse ter ficado
AE
Orlando Silva disse ter ficado "perplexo" com a reportagem publicada neste sábado

Em entrevista à revista, o policial militar João Dias Ferreira – que integra um grupo de cinco pessoas presas no ano passado sob acusação de desviar recursos de um programa federal ligado à pasta – afirmou que Orlando teria recebido pessoalmente remessas de dinheiro oriundo do esquema na garagem do Ministério do Esporte. “Por um dos operadores do esquema, eu soube na ocasião que o ministro recebia dinheiro na garagem”, disse o policial, segundo a reportagem.

De acordo com o policial, ONGs recebiam recursos federais mediante o pagamento de uma taxa previamente negociada, que chegava a 20% do valor dos convênios. O partido seria responsável por indicar desde os fornecedores até pessoas encarregadas de providenciar notas frias para justificar as despesas fictícias.

A reportagem liga o ministro às denúncias de desvios no programa Segundo Tempo, que já havia se tornado alvo de investigações federais por suspeita de fraude. As denúncias ganharam repercussão em reportagens do jornal O Estado de S. Paulo, segundo as quais o programa serviria de canal para gerar dividendos eleitorais para o PCdoB. Apesar das denúncias, o programa foi tema da propaganda partidária do PCdoB , estrelada pelo próprio Orlando Silva, como publicou a coluna Poder Online .

Orlando disse à Veja que tinha conhecimento de que o policial ameaçara fazer denúncias públicas envolvendo sua pasta e admitiu ter recebido João Dias no ministério, a pedido de seu antecessor no ministério e atual governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz. “Durante um ano esse sujeito procurou gente do ministério e fez ameaça, insinuação. E qual foi a nossa posição? Amigo, denuncie, fale o que você quiser. Por quê? Porque como nós temos convicção de que o que foi feito foi o correto, nós não tememos."

Queiroz também citado na reportagem da revista. Segundo o texto, recursos que passavam por entidades em Brasília passavam também por organizações próximas ao atual governador do DF, por meio de notas fiscais frias.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.