Barros Munhoz, quando era prefeito de Itapira, alugou um imóvel rural por 30 anos para implementar um projeto, hoje desativado

selo

Em ação civil pública na 2.ª Vara de Itapira (SP), o deputado estadual Barros Munhoz (PSDB), presidente da Assembleia de São Paulo e ex-prefeito de Itapira, é acusado pelo Ministério Público por "improbidade, lesão ao erário e atentado ao princípio constitucional da moralidade" ao celebrar contrato de locação de um imóvel rural pelo prazo de 30 anos para implementação de projeto turístico que intitulou Esperança - hoje desativado.

Munhoz arrendou 30 alqueires de uma fazenda ao pé da Serra da Mantiqueira, propriedade de José Nazareno de Carvalho, seu conhecido, onde mandou construir quatro suítes na casa-sede e um bloco de 30 apartamentos, com sala de jogos, sauna, bar, piscinas, quadra de tênis, restaurante e salão de eventos.

O hotel foi inaugurado em 2001. As portas se fecharam em abril de 2010 porque a atual administração de Itapira (Toninho Bellini, do PV) alega que as despesas para manter o empreendimento eram elevadas demais. A ação foi aberta em 2007 e está na fase de instrução.

A gestão Munhoz assumiu o compromisso, que cumpriu, de erguer em dez meses uma casa residencial de 220 metros quadrados, além de barracão para garagem e depósito com 100 metros quadrados, para "uso gratuito" de Carvalho e sua família. O acordo foi firmado em 1997, amparado na Lei 2.875 - a Câmara Municipal autorizou o Executivo a assinar o contrato, prevendo desembolso de R$ 4,5 mil mensais a título de locação. Em dezembro de 2004, último ano de Munhoz na prefeitura, o aluguel estava em R$ 12,8 mil.

A 4.ª cláusula do contrato prevê incorporação das benfeitorias ao patrimônio. "Não cabendo ao locatário (prefeitura) qualquer direito a indenização ou retenção." Ao final do pacto, tudo pertencerá a Carvalho ou a seus sucessores. Segundo a promotoria, na ação proposta em 2007, a propriedade valia R$ 650 mil quando foi alugada e o governo Munhoz investiu R$ 5 milhões no projeto hoteleiro agropecuário, por meio da Empresa de Habitação e Urbanismo de Itapira.

"A administração não exigiu, em contrapartida, um só centavo de garantia, de modo a assegurar eventual reparação por inadimplência contratual dos particulares em ato de total irresponsabilidade no trato do dinheiro público", denuncia o Ministério Público. As condições do negócio, alega a promotoria, representam "abundantes evidências do desvio de finalidade".

A ação pede anulação do contrato e condenação do tucano ao ressarcimento integral do dano - calculado em R$ 2 milhões, até 2004 - suspensão dos direitos políticos por oito anos, perda da função pública e multa de duas vezes o dano. Também são acusados outros 18 investigados, inclusive os vereadores que aprovaram o projeto.

Resposta

A assessoria de Barros Munhoz afirma que o hotel-fazenda "inseria-se em projeto mais amplo, cujos objetivos principais eram, muito além da lucratividade econômica, incentivar o turismo em Itapira, fortalecer a agropecuária, desenvolver técnicas de plantio, gerar empregos".

A ação civil, diz a assessoria, "proposta sob a roupagem de controle de legalidade dos atos da administração, reflete, em verdade, o juízo subjetivo do promotor de Justiça sobre a conveniência, oportunidade e adequação das políticas públicas consubstanciadas no projeto do hotel-fazenda, o que é vedado ao Ministério Público, sob pena de ofensa ao princípio constitucional da separação dos Poderes".

"Os objetivos se pautaram na busca pelo atendimento ao interesse público e foram precedidos de estudos técnicos, debates políticos, análise contábil e orçamentária e consultas à população", afirma a assessoria. "O projeto foi aprovado pela maioria absoluta dos vereadores."

"Aquilo que o Ministério Público denomina ‘prejuízo’ aos cofres públicos é, na verdade, investimento planejado", diz a assessoria. "Todos os investimentos, previstos e contemplados na legislação orçamentária, seriam recuperados até 2008 e a partir daí o empreendimento passaria efetivamente a lucrar."

"Tanto o contrato de locação quanto as contas dos exercícios durante os quais houve a implantação do projeto foram aprovados pelo Tribunal de Contas do Estado. Enquanto desenvolvido pela administração Barros Munhoz, o projeto apresentou resultados altamente satisfatórios".

O advogado Paulo Vosgrau Rolim, que representa José de Carvalho, foi categórico: "Não há que se imputar improbidade ao meu cliente, que simplesmente exerceu o direito de locar seu imóvel, o seu direito de propriedade. Apenas achou que era um bom negócio". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.