Ministério dos Transportes colocará interventor no Dnit

Resolução publicada hoje prevê possibilidade de indicação de interino sem sabatina no Senado, driblando imbróglio revelado pelo iG

iG Brasília |

O Ministério dos Transportes deverá nomear nos próximos dias um interventor no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Horas antes de ser afastado do cargo, na sexta-feira, o diretor-executivo da autarquia, José Henrique Sadok de Sá, teve de votar a favor de uma mudança no regimento da casa.

O texto foi colocado para apreciação pela diretoria colegiada pelo próprio Ministério como forma de driblar um imbróglio regimental que poderia suspender as atividades da entidade, conforme revelou o iG na sexta-feira .

A resolução veio a público hoje, pelo “Diário Oficial da União”. Segundo essa resolução da diretoria colegiada do Dnit, o Ministério dos Transportes poderá nomear extraordinariamente, sem necessidade de sabatina do Senado, um diretor-geral interino, se houver impedimento do diretor executivo em ocupar o posto.

Segundo a resolução, esse interventor tem de ser escolhido entre “servidores públicos federais de conduta ilibada e notório saber na área de transportes”.

A resolução foi aprovada por Sadok e os outros três diretores que atualmente ocupam cargos no Dnit. Se Sadok tivesse deixado o cargo sem assinar a resolução, a diretoria colegiada do Dnit só poderia voltar a deliberar depois que um novo diretor fosse sabatinado pelo Senado , se Sadok ou o diretor-geral Luiz Antonio Pagot não voltassem a assumir os postos dos quais foram afastados.

Hoje o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, esteve com a presidenta Dilma Rousseff e, posteriormente, com o ministro Jorge Hage, da Controladoria-Geral da União (CGU) discutindo o futuro do Dnit. O nome do interventor deverá ser definido ainda nesta semana.

Dilma desconvida novo diretor

O contador e administrador Augusto César Carvalho Barbosa de Souza nem sequer chegou a tomar posse na Diretoria de Administração e Finanças do Dnit. Ele foi desconvidado dentro da política de limpeza determinada pela presidente Dilma Rousseff no setor de Transportes.

Por meio de ofício publicado também hoje no Diário Oficial de hoje, a presidente pediu ao Senado a retirada de pauta do nome de Souza, que ela própria havia indicado para o cargo por sugestão do ex-chefe de gabinete do ministério Mauro Barbosa, um dos primeiros afastados após a onda de denúncias.

Ele seria sabatinado no último dia 7 pela Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado, à qual compete chancelar as indicações presidenciais para o Dnit.

Desde 2006, Souza é ouvidor do Dnit e, a partir de 2008, passou a acumular também o cargo de corregedor da instituição, encarregado de investigar e punir responsáveis por desmandos. Agora, de investigador ele passa à condição de investigado pela CGU, que realiza uma auditoria minuciosa nos contratos da pasta.

* Com Agência Estado

    Leia tudo sobre: dnitministério dos transportes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG