Mínimo fica em R$ 540 até o fim do governo, diz Lula

Outro valor só será possível em negociações com Dilma a partir de 1º de janeiro

Ricardo Galhardo e Severino Motta, iG Brasília |

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira durante reunião de seu Conselho Político, que reúne líderes da base aliada no Congresso, que o salário mínimo deve ficar em R$ 540 até o final do ano. Quem quiser um valor maior que negocie com a eleita Dilma Rousseff após sua posse em 1º de janeiro.

“Se a Dilma quiser dar um aumento maior, ela que faça isso depois do dia 1º de janeiro. Vou terminar o governo com a mesma seriedade que comecei, não vou fazer loucuras”, disse durante a reunião, segundo relato de um ministro presente.

Lula deixou claro que não ceder a pressões e designou o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, para negociar nesta quinta-feira, no escritório da presidência em São Paulo, com as Centrais Sindicais e passar a visão do governo sobre o mínimo.

Para Lula, a fórmula de aumento do salário, que leva em consideração o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos anteriores e a inflação é positiva e tem conseguido promover crescimento real para o mínimo. Ele ainda destacou que tal modelo, como foi concebido, deve seguir até 2023.

“Não vou negociar, temos acordo que está mantido até 2023”, disse Lula, ainda conforme o relato do ministro presente na reunião do Conselho.

    Leia tudo sobre: mínimoR$ 540lulaaumentodilma

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG