Ministro das Cidades já acertou demissão com presidenta. Como adiantou o Poder Online, saída deve ocorrer na quarta

Negromonte acertou com Dilma sua saída das Cidades
ig
Negromonte acertou com Dilma sua saída das Cidades
Apesar de já ter acertado sua demissão do Ministério das Cidades  como antecipou o Poder Online , Mário Negromonte (PP-BA) mantém hoje sua agenda à frente da pasta. Pela tarde, ele participa de reunião com o Grupo de Executivo do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Além de Negromonte, a reunião deve contar com a presença dos ministros Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional) e Míriam Belchior (Planejamento). O grupo vai discutir obras para minimizar problemas em áreas de risco.

Negromonte ainda não deixou a pasta porque a presidenta Dilma Rousseff e o PP ainda vão definir um substituto. O assunto tem sido tratado há quase 10 dias, como mostrou reportagem do iG . O líder do PP na Câmara, Agnelo Ribeiro (PB), é o favorito para assumir o comando da pasta administrada pelo partido desde 2005.

A saída de Negromonte foi definida ontem entre ele e a presidenta, durante viagem à Bahia, Estado de origem do ministro. Ele colocou o cargo à disposição após uma série de problemas administrativos e políticos que o abateram nos últimos meses.

O Palácio do Planalto avalia que Negromonte teve dificuldades para gerir a pasta e cercou-se mais de amigos do que pessoas preparadas para ajudá-lo na gestão das Cidaes. No topo da lista, está o secretário-executivo, Roberto Muniz, cujo perfil é mais político do que técnico.

No Congresso, Negromonte não conseguiu atender aos anseios da bancada e passou a ser criticado duramente pelos colegas. Em agosto, tomou um grande golpe com a troca do líder do partido. Seu aliado, Nelson Meurer (PR), perdeu o posto para Agnaldo Ribeiro (PB).

Negromonte também sofreu com denúncias da imprensa. A mais grave foi publicada pelo jornal "O Estado de S. Paulo", que acusou o ministro de avalizar uma suposta fraude no projeto para uma obra de mobilidade urbana em Cuiabá (MT). Até agora nada foi comprovado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.