Marta corta palavra do ex-marido em sessão do Senado

"Agora preciso obedecer à senhora presidente", retrucou o conformado Eduardo Suplicy, após se alongar em pronunciamento

AE |

selo

AE
A primeira vice-presidente do Senado, Marta Suplicy (PT-SP),durante sessão no Senado
Em sua estreia no comando de uma sessão plenária, a primeira vice-presidente do Senado, Marta Suplicy (PT-SP), chamou a atenção ao interromper o som do microfone para cortar a palavra de seu correligionário, conterrâneo e ex-marido, Eduardo Suplicy (PT-SP).

"Senador Suplicy, acabou o tempo", advertiu Marta pela última vez.

"Agora preciso obedecer à senhora presidente", retrucou o conformado petista.

Marta concedeu dez minutos de tempo regimental para que Eduardo Suplicy discursasse na tribuna.

 Ele inscreveu-se, como orador, a fim de divulgar uma carta escrita hoje pelo refugiado político Cesare Battisti, que se encontra preso no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília. Suplicy é um dos políticos engajados na libertação do italiano, para que ele continue no Brasil.

Diante da polêmica que envolve o assunto, vários senadores pediram apartes a Suplicy.

Entre eles, o líder do DEM, José Agripino (RN), João Pedro (PT-AM), Flexa Ribeiro (PSDB-PA) e Demóstenes Torres (DEM-GO). No comando da sessão e diante do interesse despertado pelo tema, Marta prorrogou o tempo de Suplicy por mais quatro minutos, que, no entanto, foram utilizados na intervenção dos senadores João Pedro e José Agripino.

Esgotado o tempo, Marta fez soar a campainha de advertência do plenário e advertiu o ex-marido. Conformado, ele pediu, apenas, o acréscimo à ata do plenário dos demais documentos que acompanhavam a carta do italiano, como as alegações do advogado de defesa, da Advocacia Geral da União, e uma carta da escritora francesa Fred Vargas, namorada de Battisti.

    Leia tudo sobre: eduardo suplicymarta suplicysenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG