Marighella recebe a anistia política em Salvador

No dia em que completaria 100 anos, o líder comunista foi homenageado em evento em Salvador

AE |

selo

No dia em que completaria 100 anos, o líder comunista Carlos Marighella (1911-1969) recebeu a anistia política da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça. O evento foi realizado em Salvador, cidade em que Marighella nasceu, entre a tarde e a noite de hoje. "Por unanimidade, a comissão declara anistiado político Carlos Marighella", sentenciou o presidente da sessão, o vice-presidente da comissão, Egmar de Oliveira, no início da dnoite.

Leia o especial do iG sobre os 100 anos de Marighella:
Ouça a entrevista histórica concedida por Carlos Marighella e obtida pelo iG

'Marighella foi o grande estrategista da luta armada'
Senador que foi da ALN hoje vê erros nas escolhas de Marighella

A decisão foi tomada após a leitura do processo, por parte da relatora, conselheira Ana Maria Guedes. "A Comissão da Anistia, em nome do Estado brasileiro, faz os mais sinceros pedidos de desculpas pelas atrocidades que foram cometidas contra o herói do povo brasileiro, Carlos Marighella".


Reprodução
Carlos Marighella
O evento contou com a presença da viúva de Marighella, Clara Charf, de 86 anos, do filho do casal, o advogado Carlos Augusto Marighella, do governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), do senador João Capiberibe (PSB-AP), de deputados como Emiliano José (PT-BA), autor do livro "Marighella: o inimigo número um da ditadura militar", e de políticos de outros Estados, como o vereador de São Paulo ¿?talo Cardoso (PT), autor do projeto que deu a Marighella o título de cidadão paulistano, no ano passado.

Bastante emocionada, Clara chorou algumas vezes durante o evento. "O reconhecimento da luta de Marighella pela liberdade e pela vida digna da população é uma vitória para o Brasil", avalia. "A comissão resgatou a verdade da história e da luta dele. Por muitos anos, os governos mentiram, enxovalharam as pessoas para tirar do Estado brasileiro o peso dos erros. Esse processo acabou. A humanidade e o companheirismo sempre foram suas maiores características. Ele merece esse resgate", acrescentou.

O líder comunista fez oposição a duas ditaduras, de Getúlio Vargas e dos governos militares. Foi preso três vezes, entre 1932 e 1945, foi eleito deputado federal constituinte pelo PCB baiano em 1945 e voltou à clandestinidade em 1948, quando o governo de Eurico Gaspar Dutra declarou o partido comunista como fora da lei. Marighella liderou os movimentos contrários à ditadura militar e participou da luta armada contra o governo. Chegou a ser considerado o principal inimigo do Estado brasileiro e foi morto, em 4 de novembro de 1969, por agentes do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), liderados pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury, em uma emboscada na Alameda Casa Branca, em São Paulo.

"O que a gente viu hoje foi a desmistificação de todas as mentiras que se falaram, ao longo de muitos anos, sobre meu pai", disse Carlos Augusto, que articula com o governo do Estado a criação de um memorial para seu pai, na Bahia. "Meu pai não era um terrorista, ele foi um herói, uma inspiração, por sua coragem, por seu senso de dever e responsabilidade. Eu estou há 40 anos lutando para que esta verdade surja. E este é um momento de glória e honra a quem, como Marighella, lutou por este País", falou.

"Com a anistia, o Estado brasileiro reconhece como legítima a forma escolhida por Marighella para enfrentar o terrorismo imposto pela ditadura militar", disse Egmar de Oliveira. "Estamos cumprindo o dever de iniciar o resgate da história de um lutador do povo brasileiro. Espero que a Comissão da Verdade possa apresentar à sociedade quem foram os que executaram, de forma covarde e brutal, Carlos Marighella. Não no sentido de revanchismo, mas para resgatar a verdade, para que ela não volte a acontecer", disse.

    Leia tudo sobre: Carlos MarighellaALNluta armada

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG