Marco Maia defende 'meio termo' para aumento do Judiciário

Reajuste opõe o comando do Supremo Tribunal Federal e o governo, que diz não ter dinheiro para bancar aumento salarial

AE |

selo

AE
Marco Maia, presidente da Câmara
O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), defendeu um "meio termo" na questão do aumento salarial dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e dos servidores do Judiciário. O reajuste opôs o presidente do STF, ministro Cezar Peluso, e o governo , que afirma não ter recursos para conceder o aumento salarial.

Os servidores do Judiciário querem mais de 50% de reajuste em seus salários e os ministros do STF têm duas propostas de aumento à espera de votação na Câmara. O primeiro projeto eleva os vencimentos dos atuais R$ 26.723,13 para R$ 30.675,48, um índice de 14% de aumento, e o outro projeto, enviado no mês passado à Câmara, prevê mais 4,8% de reajuste.

"Nós vamos trabalhar no próximo período no sentido de encontrar caminhos que viabilizem a manutenção da harmonia e independência entre os Poderes", disse Maia. "É difícil, não é fácil. Precisamos buscar fonte de financiamento. O valor não é pequeno. Talvez o valor não seja compatível com a realidade, mas devemos buscar um meio termo", completou.

    Leia tudo sobre: marco maiareajuste do judiciário

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG