Maluf não descarta concorrer à Prefeitura de SP em 2012

"Vamos discutir primeiro com o governador Geraldo Alckmin", disse o deputado

AE |

selo

O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) não descarta se candidatar à Prefeitura de São Paulo em 2012. Hoje, durante inauguração da ponte Governador Orestes Quércia, na capital paulista, Maluf dividiu o palco com autoridades, tirou foto com populares, rasgou elogios ao ex-governador morto em 2010 e deixou em aberto a possibilidade de concorrer pela quinta vez. "Ainda tem um ano para pensar. Só perde quem não disputa, quem disputa sempre vence", filosofou.

AE
Deputado Paulo Maluf (PP) cumprimenta populares em inauguração de ponte em São Paulo

Embora nos bastidores venha negociando apoio ao deputado federal Gabriel Chalita, pré-candidato do PMDB à sucessão do prefeito Gilberto Kassab, Maluf afirmou que o assunto ainda não está em pauta no PP. "Isso não está sendo tratado agora. Ainda temos 11 meses para as convenções dos partidos", afirmou. No entanto, o deputado destacou que seu partido tem atualmente uma proximidade com o governador tucano Geraldo Alckmin e que uma eventual declaração de apoio do PP deve levar em consideração o entendimento com Alckmin. "Vamos discutir primeiro com o governador Geraldo Alckmin", disse.

Entre fotos e cumprimentos durante a inauguração, Maluf não deixou de afagar seus "eleitores". "É de vocês que eu gosto", declarou aos populares assim que chegou no evento. "A gente trabalha para gerar emprego", disse a outro simpatizante.

O deputado aprovou a homenagem ao ex-governador do PMDB. "O que fica para o homem público é o que ele constrói para a coletividade. O Quércia merece essa homenagem porque ele trabalhou muito por São Paulo", justificou o deputado, que se gaba das obras deixadas em São Paulo nos períodos em que foi governador e prefeito.

Perguntado sobre as denúncias de fraude na coleta de assinaturas para a criação do partido do prefeito Gilberto Kassab, o PSD, Maluf tergiversou: "Não tenho cartório de reconhecimento de firma". O deputado disse que não têm dúvidas de que Kassab conseguirá assinaturas suficientes para criar a nova legenda, mas que a lista de apoio ao PSD não contará com sua assinatura. "A minha ( assinatura ) desta vez não está falsificada, simplesmente porque não está lá", ironizou, em referência a um dos processos contra ele. Em 2004, o Ministério Público informou que o deputado autorizou, através de uma carta, a transferência de recursos para o exterior. Na época, Maluf alegou que sua assinatura na carta foi falsificada.

    Leia tudo sobre: Paulo MalufMalufQuérciaEleições 2012

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG