Mais dois senadores da base endossam CPI sobre Palocci

Com as novas adesões somam 22 pedidos para a instalação de uma CPI contra o ministro Palocci

iG São Paulo |

Uma possível comissão parlamentar de inquérito para investigar o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, ganha força no Congresso. A oposição conseguiu nesta tarde mais duas assinaturas para instalar a comissão: Cristovam Buarque (PDT-DF) e seu colega de partido, Pedro Taques (MT). Senador da base governista, Buarque, há pouco, justificou o seu voto no Twitter e disse que o fez "sem alegria, mas com sentimento de dever".

Com as novas assinaturas passam a ser 22 os pedidos para a instalação da comissão para investigar o ministro. O senador Pedro Simon (PMDB-RS) é um voto garantido, além de Itamar Franco (PPS-MG), que prometeu assinar o voto tão logo reassumir suas funções no Senado.

Desgaste político

Senadores de partidos da base do governo afirmaram nesta quarta-feira (7) que juridicamente a situação do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, está resolvida com a decisão do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, de arquivar os pedidos de investigação sobre o crescimento patrimonial dele nos últimos quatro anos. Entretanto, consideram que, politicamente, a situação do ministro é complicada.

O peemedebista da chamada ala independente do partido, Luiz Henrique (SC), afirma que sua expectativa é que Palocci deixe o cargo. Segundo ele, a decisão da procuradoria “não altera em nada” o desgaste político do ministro a partir de denúncias que começaram com o crescimento de seu patrimônio.

O senador Inácio Arruda (PC do  B-CE) também acredita na permanência do desgaste político de Palocci. De acordo com ele, só “um fato novo” criado pelo próprio ministro seria capaz de fortalecê-lo. “A iniciativa tem que ser dele. Não dá para ficar num posto ( como o da Casa Civil ) com todo mundo olhando atravessado.”

Arruda acrescentou que, na política, não se olha apenas o aspecto jurídico de uma pessoa pública mas, sim, o conjunto. Ele avalia que Palocci “tem sabedoria política” para saber que não pode permanecer no cargo enfraquecido.

Palocci, afirmou ontem (6), por meio de nota, que espera que a decisão de Gurgel recoloque o "embate político nos termos da razão, do equilíbrio e da Justiça". Palocci disse ainda que prestou todos os esclarecimentos necessários de forma pública. “Entreguei à Procuradoria-Geral da República todos os documentos relativos à empresa Projeto”, disse o ministro na nota divulgada pela Casa Civil.

Outro peemedebista, Eduardo Braga (AM), disse que não há motivo para criar uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) sobre o caso Palocci, uma vez que o próprio Ministério Público, a quem seriam remetidas as conclusões da comissão, já se pronunciou.

O amazonense disse que amanhã à noite a bancada do PMDB se reunirá em um jantar na casa do senador Waldemir Moka (MT) para tentar fechar uma posição sobre o assunto. O líder Renan Calheiros (AL) já deu o tom que pretende apresentar na reunião: “se do ponto de vista legal não há o que se investigar, do ponto de vista político muito menos”.

O próprio líder do PDT, Acir Gurgacz (RO), reconheceu que a situação política de Antonio Palocci “é complicada”. Segundo ele, a permanência do ministro no cargo é difícil por causa da falta de credibilidade política, consequência das denúncias que sofreu.

O senador Walter Pinheiro (PT-BA) limitou-se a dizer que aguarda a decisão sobre a permanência de Palocci no cargo “de quem tem o poder de resolver”, no caso a presidenta Dilma Rousseff . Pinheiro foi um dos petistas que, na semana passada, pediram em plenário explicações públicas do ministro sobre as denúncias veiculadas na imprensa.

Para o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) seria fundamental que Palocci tomasse agora a iniciativa de comparecer espontaneamente ao Congresso para prestar esclarecimentos. Ele considera que isso poderia arrefecer a crise política na base governista agravada pelas denúncias, bem como as queixas de parlamentares sobre a forma como o ministro atua à frente da Pasta.

* Com informações da Agência Brasil

    Leia tudo sobre: dilma rousseffantonio paloccicrisebase

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG