Candidato à presidência da Câmara poderia ser a primeira vítima da insatisfação do PMDB

selo

Diretamente interessado na pacificação da base aliada, o candidato do PT à presidência da Câmara, Marco Maia (RS), considerou uma "medida inteligente" a suspensão do preenchimento de cargos do segundo escalão decidido pela equipe da presidente Dilma Rousseff. Marco Maia poderia ser a primeira vítima da insatisfação do PMDB, de acordo com alerta feito pelo líder do partido na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN).

A irritação do partido cresceu e se tornou uma crise entre o PT e o PMDB depois que petistas assumiram postos antes comandados pelos peemedebistas. O PMDB perdeu para o PT a Secretaria de Atenção à Saúde, com orçamento de R$ 45 bilhões; a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), com R$ 5 bilhões de orçamento, e os Correios, com R$ 12 bilhões. O líder peemedebista disse que a bancada poderá manifestar essa insatisfação na eleição para a presidência da Câmara, no dia 1º de fevereiro.

"Quanto menos houver movimentos bruscos, melhor será para a gente ajustar as coisas na Casa", disse Marco Maia. "É uma medida inteligente a gente conversar antes de tomar uma decisão. Quanto mais se dialogar, melhor será para termos uma equação que sirva aos partidos."

O parlamentar, que assumiu a presidência da Câmara com a renúncia do vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB-SP), afirmou estar trabalhando para construir um entendimento com todos os partidos para compor a Mesa da Casa proporcionalmente ao tamanho dos partidos políticos. Maia considera legítimo que as legendas, que contribuíram para eleger Dilma Rousseff, reivindiquem postos no Executivo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.