'Madrasta do PAC', Miriam Belchior distribui tarefas e broncas

Ao assumir Planejamento e incorporar programa à pasta, ministra manteve estilo duro inaugurado por Dilma na Casa Civil

Danilo Fariello, iG Brasília |

Se a presidenta Dilma Rousseff foi batizada como “mãe do PAC” pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva quando ainda era chefe da Casa Civil, o posto de “madrasta do PAC” foi assumido por Miriam Belchior desde que Dilma deixou a Esplanada e passou ao cargo mais alto do Executivo.

Especial: PAC faz cinco anos e vira bandeira de Dilma para 2012
Infográfico: Obras mais caras do PAC têm como marca atrasos e alta nos custos


Sob o governo Dilma, a atual ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Pública carregou consigo o controle do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) , que já tocava dentro da Casa Civil no governo anterior. Ela continua responsável por administrar o cronograma e cobrar prazos de todos os ministérios e autarquias envolvidas no programa.

É de Miriam o principal bordão do governo que se refere à importância do PAC para a infraestrutura do País desde 2007: “Estamos reaprendendo a fazer obras de infraestrutura, não só o governo federal, como os Estados, municípios e o setor privado”.

AE
Assim como Lula, ministra do Planejamento construiu carreira política na região do ABC paulista

Em diversas entrevistas, ela destacou que, ao longo desses anos, houve uma reestruturação geral de como se planeja a infraestrutura no País – que passou pela criação da carreira pública de infraestrutura, pelo desenvolvimento de mais empresas especializadas em projetos e até pela qualificação de mão de obra para construções pesadas diante de uma escassez de engenheiros e até pedreiros.

Os primeiros projetos do PAC, lançado em 2007, datam ainda da época da Ditadura Militar – caso da BR-163 e das eclusas do Tucuruí, por exemplo. Durante os anos 80 e 90, a construção de grandes obras no Brasil ficou praticamente estagnada e, portanto, não fazia sentido desenvolver projetos.

Foi papel de Miriam negociar com todos os elos da cadeia de infraestrutura para convencê-los a embarcar no PAC de cabeça. Ela costuma contar, por exemplo, que no início do PAC percebia-se o desprendimento das empresas com os projetos, ou seja, elas facilmente largavam uma obra no meio, se surgisse uma mais rentável.

Como madrasta não tem, necessariamente, aquele jeito doce de mãe, a conversa com Miriam costuma azedar com mais frequência, principalmente quando há atraso ou percepção de abandono na evolução das obras. Um empresário reconhece que já levou “puxão de orelha” de Miriam e foi ameaçado de perder o contrato vencido em licitação por conta de uma dificuldade com mão de obra que acabou atrasando a obra.

Crente fiel das estratégias de eficiência na gestão e da possibilidade de a tecnologia aumentar a capacidade de execução – que resultou na Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade (CGDC) e no Grupo de Gestão Integrada (GGI) – Miriam compartilha com Dilma um discurso da competitividade e da eficiência dentro do governo.

Foi de Miriam, por exemplo, a ideia de separar do PAC o grupo de obras para a Copa do Mundo de 2014, para tornar o seu acompanhamento e sua avaliação mais consistente. Esse modelo de criação de “sala de situações” para melhor coordenar projetos de determinado grupo ela traz consigo desde que foi secretária de Planejamento de Santo André (SP), nos anos 90.

Mais sobre o PAC nas favelas:
Avanço e abandono coexistem na obra que fez de Dilma a ‘mãe do PAC’

‘Vende-se apartamento do PAC no Complexo do Alemão por R$ 25 mil’
Desabrigados por teleférico do Alemão ficaram sem aluguel social

Raízes

Assim como Lula, Miriam nasceu para a política nacional e para o PT no ABC paulista. Em Santo André, trabalhou nas gestões do ex-marido Celso Daniel, assassinado em 2002.

A ministra ainda mantém suas relações políticas na região, tendo participado da elaboração do programa de governo de Luiz Marinho, atual prefeito de São Bernardo do Campo e preferido de Lula para a candidatura ao governo de São Paulo em 2014.

Sondada por Lula para assumir a Casa Civil quando Dilma saiu para a candidatura à Presidência, Miriam obteve uma vitória tática, uma vez que sua ex-colega alçada ao posto de ministra Erenice Guerra caiu sob denúncias de corrupção. Convidada para o posto com o afastamento de Erenice , Miriam declinou o pedido, para, então, assumir o Planejamento sob a gestão Dilma, com status de ministra de primeira grandeza da Esplanada dos Ministérios.

    Leia tudo sobre: Cinco anos do PACPACMiriam Belchior

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG