'Lula não tem medo da morte', diz biógrafa do ex-presidente

Segundo a escritora Denise Paraná, 'pragmatismo sertanejo' faz com que ex-presidente encare câncer com tranquilidade

Augusto Gomes, iG São Paulo |

"Passei no meu primeiro vestibular aos três anos de idade, quando não morri de diarreia. Tudo o que veio depois disso é lucro". A frase, repetida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva antes mesmo da descoberta de seu câncer de laringe, exemplifica sua posição diante de problemas de saúde. É o que afirma a jornalista e escritora Denise Paraná, autora da do livro Lula, o Filho do Brasil .

"Ele é uma pessoa muito confiante e não tem medo da morte", afirmou a escritora ao iG . "Ainda não me encontrei com Lula após o anúncio da doença, mas pelo que conheço dele, sua reação deve ter sido tranquila", disse. É o que Denise classifica de "pragmatismo sertanejo". "Ele já passou por muita coisa e nunca se abateu. Deve estar encarando o câncer como mais um obstáculo a ser superado", acredita.

Leia também: Do pau de arara ao Palácio do Planalto

Agência Estado
Jornalista escreveu livro sobre a história de Lula, que deu origem a filme homônimo em 2009

A relação entre o ex-presidente e a jornalista teve início no ambiente acadêmico - Denise transformou sua tese de doutorado pela USP, escrita em 1995, no que se tornaria o embrião do livro sobre a história de Lula, adaptado posteriormente para o cinema no filme homônimo de Luiz Carlos Barreto.

Lula tomou conhecimento da doença no último sábado e logo em seguida autorizou a divulgação da notícia. A amigos, o ex-presidente procurou desde o início demonstrar tranquilidade e otimismo em relação ao tratamento. Nesta segunda-feira, ele deu entrada no hospital para iniciar os procedimentos de quimioterapia .

Casos de câncer na família

A jornalista lembrou que um dos irmãos de Lula, Jaime, já teve um tumor semelhante ao do ex-presidente. "Aconteceu há cerca de três anos e ele está completamente recuperado", conta Denise. Outra irmã, Maria, teve um câncer no seio e também está curada. Sua irmã Marinete, no entanto, não teve a mesma sorte: ela morreu em junho, vítima de um tumor no pulmão.

"A mãe de Lula, Dona Lindú, morreu em decorrência de câncer. Também há casos de tios por parte de mãe e um meio-irmão por parte de pai que também tiveram a doença", diz a biógrafa.

O fumo, um dos principais fatores de risco para o câncer de laringe, foi um hábito de Lula pelo menos até o final dos anos 1980. "Ele fumava bastante, mas parou em 1989", revela Denise. "Mas continuou fumando charutos e, depois disso, cigarrilhas."

    Leia tudo sobre: lulacâncer de Lula

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG