Lula exorta 'identidade mercosulina' em encerramento de cúpula

Na reta final de seu mandato, presidente troca improvisações pela leitura de discursos preparados por auxiliares

Ricardo Galhardo, enviado a Foz do Iguaçu |

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se esforçava para pronunciar “identidade mercosulina” no encerramento da 10ª Cúpula Social do Mercosul nesta quinta-feira à noite quando interrompeu o raciocínio: “Gente, vocês não vão bater palmas para a palavra ‘mercosulina’? Deu um trabalho danado para encontrarmos uma marca para a gente e vocês nem batem palmas. Acho que pensaram que era insulina, né?”.

Agência Estado
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (3º e/d), entre o presidente do Paraguai, Fernando Lugo (2º e/d), e José Mujica, presidente do Uruguai

Além da “identidade mercosulina” o presidente também se esforçou para falar da “simplificação de trâmites para a equivalência de estudos”. Lula estava lendo o discurso, fato raro nos oito anos de governo que tem se tornado comum na reta final de suas passagem pela Presidência da República. Nos últimos três dias, Lula leu os discursos escritos por seus auxiliares. Segundo pessoas próximas, Lula quer evitar escorregões e demonstrações de emoções na reta final.

Desde que transformou a quebra de protocolo em marca registrada, os textos protocolares dos assessores foram preteridos em benefício dos improvisos repletos de metáforas, humor e erros de concordância. A mudança repentina chamou a atenção até de auxiliares próximos. Lula leu os discursos na cerimônia de entrega do prêmio Brasileiro da Década, quarta-feira, em São Paulo, e hoje em Foz do Iguaçu.

A explicação, no caso do evento em São Paulo, era a necessidade de embarcar rumo a Foz do Iguaçu. “Se eu ler vai mais rápido do que se improvisar”, explicou ele. Na cúpula do Mercosul a justificativa foi o fato de se tratar de um evento internacional.

Mas segundo pessoas próximas, Lula tem evitado falar de improviso por outros dois motivos. O primeiro é evitar escorregões verbais. O segundo evitar o choro em público, mais fácil quando o presidente fala com a emoção.

O evento desta quinta-feira foi mais um da série de despedidas que deve se estender até o dia 31. Ao lado dos presidentes do Paraguai, Fernando Lugo, e do Uruguai, José Mojica, Lula foi o grande homenageado do evento. Saudado aos gritos de “Lula, Lula, olê, olê, olá” por integrantes de movimentos sociais de vários países sulamericanos, o presidente foi o centro das atenções.

Coube a Lugo fazer a saudação: “obrigado Lula. Muitas coisas pode se dizer do Brasil mas com você o país sempre teve receptividade e os dois ouvidos abertos para nós. Nunca fomos excluídos”.

“É a última reunião que participo. Voltaremos a nos reunir em outro momento mas devo estar com vocês (movimentos sociais) e não com meus companheiros (presidentes)”, disse Lula.  A despedida terminou cm um grande churrasco à beira da represa de Itaipu.

    Leia tudo sobre: lulamercosulcúpula

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG