No entanto, ele deixou claro que o bloco ainda não está consolidado e que o PT não aceitará provocações

selo

Presidente Lula durante reunião do Conselho Nacional de Economia Solidária,no Palácio do Planalto, Brasília
AE
Presidente Lula durante reunião do Conselho Nacional de Economia Solidária,no Palácio do Planalto, Brasília
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que vê "com tranquilidade" a formação do bloco na Câmara - de 202 deputados - integrado pelo PMDB, PP, PR, PTB e PSC. No entanto, ele deixou claro que o bloco ainda não está consolidado, e que o PT não aceitará provocações. "A política é como o leito de um rio. Se a gente não for um 'desmancha-ambiente', a gente deixa a água correr tranquilamente e tudo vai se colocando de acordo com o que é mais importante. Se as pessoas tentam, de forma conturbada, mexer na política, pode não ser muito bom. Eu acho que a hora é dos partidos começarem a discutir, porque tem 48% de renovação na Câmara, tem (renovação) no Senado, quem é que vai ser presidente da Câmara, quem é que vai ser do Senado", declarou Lula. "Acho que o papel dos partidos é conversar."

O objetivo do PMDB em articular o bloco com partidos da base aliada era isolar o PT na Câmara e deixar a presidente eleita, Dilma Rousseff, refém dos interesses dessas legendas. Lula disse que não se assusta com a posição do PMDB, de exigir mais cargos do que possui hoje no governo. "O papel dos partidos agora é de conversar, conversar e conversar. Porque tem muita coisa para ser feita e, quando começar (o governo Dilma), nós temos de votar a reforma política. Temos de começar a debater isso."

Para Lula, o importante é que o País vive uma situação de "tranquilidade". Ele também afirmou que "a eleição da Dilma foi uma coisa importante para o Brasil. Pelo fato de ela ser mulher é uma coisa extremamente importante, é algo a mais."

    Leia tudo sobre: lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.