Presidente disse que evitou apresentar novo nome antes pois não seria 'republicano' indicar nomes que servirão ao próximo governo

selo

Agência Estado
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa de de reunião do Conselho Nacional de Economia Solidária, no Palácio do Planalto, Brasília
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que pretende anunciar até 17 de dezembro - último dia de trabalho do Legislativo no ano - o nome do seu último indicado para ocupar uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). Em entrevista no Palácio do Planalto, Lula afirmou que discutirá o novo nome com a presidente eleita, Dilma Rousseff, e que pretende discutir com ela, também, os nomes de diretores para as agências reguladoras. Lula lembrou que evitou apresentar um novo nome para o STF e para agências reguladoras durante o processo eleitoral porque não seria "republicano" fazer indicações de pessoas que vão desempenhar funções ao longo do próximo governo.

"Eu irei partilhar com a nova presidenta o nome para a Suprema Corte, assim como quero partilhar os nomes para as agências. Não é correto, da minha parte, faltando um mês e meio para deixar o mandato, indicar alguém para uma agência que vai ter mandato de quatro ou cinco anos sem conversar com quem vai me suceder", disse.

"Estou fazendo as coisas com muito critério e respeitando muito a agenda da Dilma, porque ela está neste momento conversando com os partidos políticos, montando o seu governo e é isso que interessa", afirmou o presidente.

Lula evitou responder se o advogado-geral da União, Luiz Inácio Adams, é o mais cotado para o Supremo. E sobre a possível permanência de José Sergio Gabrielli na Petrobras, como admitem alguns ministros, respondeu: "O que eu posso dizer é que o Gabrielli até 31 de dezembro será presidente da Petrobras. A partir daí quem escolhe o presidente é a Dilma."

Ele ainda voltou a afirmar que não pedirá à presidente eleita a permanência de ministros e assessores. "Não peço e não indico ninguém para a Dilma. Ele conhece bem o governo e fica com quem quiser", disse.

    Leia tudo sobre: Lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.