Lula diz que indicará novo ministro do STF em até 1 mês

Presidente disse que evitou apresentar novo nome antes pois não seria 'republicano' indicar nomes que servirão ao próximo governo

Agência Estado |

selo

Agência Estado
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa de de reunião do Conselho Nacional de Economia Solidária, no Palácio do Planalto, Brasília
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que pretende anunciar até 17 de dezembro - último dia de trabalho do Legislativo no ano - o nome do seu último indicado para ocupar uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). Em entrevista no Palácio do Planalto, Lula afirmou que discutirá o novo nome com a presidente eleita, Dilma Rousseff, e que pretende discutir com ela, também, os nomes de diretores para as agências reguladoras. Lula lembrou que evitou apresentar um novo nome para o STF e para agências reguladoras durante o processo eleitoral porque não seria "republicano" fazer indicações de pessoas que vão desempenhar funções ao longo do próximo governo.

"Eu irei partilhar com a nova presidenta o nome para a Suprema Corte, assim como quero partilhar os nomes para as agências. Não é correto, da minha parte, faltando um mês e meio para deixar o mandato, indicar alguém para uma agência que vai ter mandato de quatro ou cinco anos sem conversar com quem vai me suceder", disse.

"Estou fazendo as coisas com muito critério e respeitando muito a agenda da Dilma, porque ela está neste momento conversando com os partidos políticos, montando o seu governo e é isso que interessa", afirmou o presidente.

Lula evitou responder se o advogado-geral da União, Luiz Inácio Adams, é o mais cotado para o Supremo. E sobre a possível permanência de José Sergio Gabrielli na Petrobras, como admitem alguns ministros, respondeu: "O que eu posso dizer é que o Gabrielli até 31 de dezembro será presidente da Petrobras. A partir daí quem escolhe o presidente é a Dilma."

Ele ainda voltou a afirmar que não pedirá à presidente eleita a permanência de ministros e assessores. "Não peço e não indico ninguém para a Dilma. Ele conhece bem o governo e fica com quem quiser", disse.

    Leia tudo sobre: STFLulanovo ministro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG