Lula deixa hospital e deve ter vida normal, dizem médicos

Equipe que cuida do ex-presidente diz que Lula está bem, não teve náuseas e poderá ter uma vida normal em família

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

Em termos de náusea ele não teve absolutamente nenhuma. Tanto que a grande preocupação dele, ao longo de toda a manhã, era saber a que horas ele poderia almoçar. Essa foi a grande questão que tivemos de discutir durante toda a manhã"

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou por volta das 15h30 desta terça-feira o hospital Sírio-Libanês, onde foi submetido à primeira sessão de quimioterapia para tratamento de um câncer na laringe . Segundo os médicos, Lula não apresentou até agora sintomas dos efeitos colaterais do tratamento e só reclamou de fome.

“Em termos de náusea ele não teve absolutamente nenhuma. Tanto que a grande preocupação dele, ao longo de toda a manhã, era saber a que horas ele poderia almoçar. Essa foi a grande questão que tivemos de discutir durante toda a manhã. Talvez ele se sinta um pouco cansado no decorrer dos próximos dias, mas nada diferente do que a gente pode sentir em um resfriado forte”, disse o oncologista Artur Katz.

Saiba mais sobre o câncer de Lula:

- Lula é diagnosticado com câncer na laringe

- Lula inicia quimioterapia contra câncer

- "Vamos tirar de letra", diz Lula em vídeo

Vida normal

Ricardo Stuckert/Instituto Lula
A presidenta Dilma visita Lula no hospital, na segunda-feira (31 de outubro): "Ele está maravilhoso de humor. Está com aquela alegria dele"
Segundo ele, a boa reação de Lula ao primeiro dia de tratamento indica que o ex-presidente deve sofrer poucas náuseas ao longo dos dois meses de quimioterapia. De acordo com os médicos, o ex-presidente terá uma vida normal ao longo do tratamento mas não poderá cumprir a agenda normalmente intensa de palestras e viagens adotada desde que deixou a presidência.

“Lula terá a vida normal de alguém que está em tratamento. Evidentemente ele não cumprirá a agenda normal de trabalho que ele habitualmente costuma obedecer até porque é uma agenda muito pesada. Mas, dentro de casa, com familiares e amigos, ele poderá levar uma vida absolutamente normal”, disse Katz.

Conforme os médicos, Lula deverá voltar ao hospital dentro de 20 dias, quando receberá a segunda dose do tratamento. A bolsa de infusão com o coquetel será retirada em cinco dias, mas o procedimento pode ser feito em casa. Enquanto isso, o ex-presidente terá acompanhamento intensivo dos médicos mas não terá restrições alimentares e pode até ser liberado para fazer exercícios físicos.

“O próximo ciclo de quimioterapia ocorrerá em três semanas. Neste intervalo ele estará sendo observado, fará exames de sangue, mas deverá levar uma vida norma. Estávamos discutindo inclusive quantos minutos por dia ele poderia fazer na esteira, ou seja, deve levar uma vida absolutamente normal. Aproximadamente em três semanas, se não me falha a memória em 14 de novembro, ele deve fazer o segundo ciclo de quimioterapia”, disse Katz.

Lula terá a vida normal de alguém que está em tratamento. Evidentemente ele não cumprirá a agenda normal de trabalho que ele habitualmente costuma obedecer até porque é uma agenda muito pesada. Mas, dentro de casa, com familiares e amigos, ele poderá levar uma vida absolutamente normal”

Segundo os médicos, o exame petscan para detecção de possíveis novos tumores ao qual Lula foi submetido antes de deixar o hospital não apresentou novidades.

“Esse exame que foi feito é uma preparação para a radioterapia do ano que vem. Não foi que nós estivéssemos procurando por nada em especial. E o resultado acabou sendo o que nós já esperávamos”, disse o oncologista Paulo Hoff.

De acordo com ele, os primeiros cuidados também melhoraram a rouquidão mostrada por Lula nos últimos dias. Segundo Hoff, a rouquidão era causada por um edema na garganta próximo ao tumor.

“A voz melhorou muito mas, evidentemente, parte do problema da voz se devia ao edema que nós temos dito a vocês que existia junto da lesão. O edema regride rapidamente e é por isso que a voz dele está praticamente normal”, disse o oncologista.

    Leia tudo sobre: câncer de lulalulatumorlaringecâncerquimioterapiaradioterapia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG