Lula passa por primeira sessão de radioterapia

Ex-presidente terá de comparecer diariamente ao Sírio-Libanês por um período de seis a sete semanas

iG São Paulo |

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva passou nesta terça-feira pela primeira sessão de radioterapia, dando início à segunda fase do tratamento a que se submete contra um câncer na laringe . Lula chegou ao hospital às 10h42 e evitou a imprensa ao optar por uma entrada reservada, fora do alcance dos jornalistas.

Entenda o caso: Lula é diagnosticado com câncer na laringe

Tratamento: Quimioterapia reduz em 75% tamanho do tumor de Lula, dizem médicos

Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Lula agora terá de voltar ao hospital diariamente, por período de seis a sete semanas
Após a sessão, Lula permaneceu no hospital. Descansou por algumas horas, almoçou e foi submetido a uma nova aplicação de quimioterapia, para complementar a nova fase do tratamento. Esse procedimento já estava previsto, segundo a equipe do hospital. O ex-presidente, de acordo com auxiliares, não apresentou efeitos colaterais da radioterapia. A sessão, segundo assessores, teve duração de 20 minutos.

Lula deixou o hospital pouco antes das 17 horas, novamente sem manter contato com a imprensa. Durante as seis horas em que esteve no hospital, Lula recebeu a visita do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e ainda assistiu a parte do jogo entre Corinthians e Santos da Paraíba, pela Copa São Paulo.

Segundo o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, Lula e Kassab conversaram sobre "quase tudo". "Falaram de futebol, da cidade de São Paulo e sobre enchentes", contou Okamotto.

Bem-humorado, Lula acompanhou o jogo de futebol pela TV, enquanto fazia a sessão de quimioterapia. "Ele vibrou muito com a molecada", afirmou, referindo-se à goleada de nove a zero do Corinthians contra o adversário. Segundo Okamotto, Lula começou bem a nova fase do tratamento. "Ele começou com o pé direito."

Consultas

Além das sessões de radioterapia e de quimioterapia, Lula teve consultas hoje com um fonoaudiólogo e com um dentista. O objetivo é evitar que os efeitos colaterais do tratamento, como afta, perda do apetite, dificuldade para engolir, por exemplo, se agravem nas próximas seis ou sete semanas previstas para o tratamento. Nesse período, Lula terá sessões diárias de radioterapia no hospital, à exceção dos finais de semana. O ex-presidente terá ainda uma sessão semanal de quimioterapia.

Como o tratamento exigirá que Lula se desloque se sua casa em São Bernardo do Campo, no Grande ABC, até a região central de São Paulo, onde fica o hospital, caso o trânsito seja muito pesado nesse trajeto e provoque cansaço em Lula, a família poderá optar pelo aluguel de um flat ou apartamento próximo ao Sírio-Libanês, segundo Okamotto.

Diferentemente do que ocorreu nas sessões de quimioterapia realizadas até agora, Lula esteve desta vez no hospital sem a companhia da ex-primeira-dama Marisa Letícia. A equipe responsável pela radioterapia de Lula é coordenada pelo médico João Luís Fernandes, coordenador do Serviço de Radioterapia do hospital. Para evitar o agravamento dos efeitos da radioterapia na boca e na garganta, Lula também será acompanhado por dentistas.

*Com informações da Agência Estado

    Leia tudo sobre: câncer de LulaLula

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG