Lula acirra competição com China em visita a Tanzânia

Presidente diz a empresários que Brasil tem produtos melhores e avaliza interesses da Vale do Rio Doce na Tanzânia

Agência Brasil |

A intenção de disputar de forma mais acirrada novos mercados com a China está dando o tom da visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a países da África. Intenção que ficou ainda mais explícita no discurso que o presidente fez a empresários brasileiros e tanzanianos nesta quarta-feira, em Dar es Salaam, capital da Tanzânia.

Em vários momentos, Lula referiu-se à China e procurou vender a imagem de que o Brasil, ao contrário do gigante asiático, tem produtos de melhor qualidade e gera empregos nos países onde investe. Lula citou a disputa por minas de ferro que a mineradora Vale do Rio Doce acabou perdendo para os chineses.

AE
Presidente Lula em passagem pela Tanzânia
“Nada contra os meus amigos chineses. Pelo contrário, [a China] é um grande parceiro nosso e queremos manter nossa parceria estratégica. Mas a verdade é que, às vezes, eles ganham uma mina e trazem todos os chineses para trabalhar naquela mina. E fica sem gerar oportunidade de trabalho para os trabalhadores do país”, disse Lula.

De olho nos recursos naturais da África, o presidente procurou avalizar os interesses da Vale na Tanzânia e aproveitou para criticar a forma chinesa de exploração. “É importante que se todos se dêem conta que a Vale tem que vir aqui, fazer investimentos, gerar emprego aqui e contratar trabalhadores da Tanzânia para trabalhar nos projetos, e não trazer trabalhadores do Brasil, como alguns fazem, que não é boa política”, disse Lula.

Em 2004, a Vale perdeu para os chineses a disputa para a exploração de uma mina de ferro no Gabão. Nos próximos meses, a empresa pretende disputar duas licitações para explorar na Tanzânia minas de carvão, fosfato (matéria prima para fertilizantes), cobre, níquel e potássio. De acordo com o presidente da Vale, Roger Agnelli, o investimento que a empresa pretende fazer na Tanzânia chega a US$ 2 bilhões, valor semelhante ao já investido pela empresa em Moatize (Moçambique) para exploração de carvão metalúrgico. A mineradora também mantém projetos em Zâmbia, no Congo, em Angola, na Guiné, na África do Sul e ainda tem interesse em recuperar posições na exploração de minas no Gabão.

Lula é o primeiro presidente brasileiro a visitar a Tanzânia. As trocas comerciais com o país do oeste da África somaram no ano passado apenas US$ 31 milhões. Para Lula, essa cifra modesta pode se expandir muito com o ambiente de estabilidade política e segurança jurídica que o país oferece atualmente. Além disso, são convidativas as taxas de crescimento apresentadas pela Tanzânia. Para este ano, a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) é de 5%.

    Leia tudo sobre: lulatnazâniaáfricachina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG