Setores do partido seguiram a orientação do governo de rejeitar um índice maior para categorias que reivindicam ganhos salariais

O líder do PT na Câmara, deputado Fernando Ferro (PE), avaliou que a sanção de reajuste das aposentadorias acima de um salário mínimo a um índice maior do que o proposto inicialmente pelo governo dificultará as negociações na Câmara com as categorias que reivindicam ganhos salariais. Setores do PT seguiram a orientação do governo federal de rejeitar um índice maior, sob o argumento de não havia recursos para bancar o reajuste.

Mas agora, com a sanção, Ferro prevê que será difícil convencer a base aliada com o argumento de que não há recursos. "Eu, pelo menos, quando for ouvir a equipe econômica terei de estar muito seguro", disse.

"Vamos ter que avaliar com muito cuidado para saber as reais condições financeiras para sustentar a posição da equipe econômica", acrescentou. "Essa informação (de que não havia recursos) não batia com a realidade como estamos vendo agora", disse.

Durante as discussões sobre a possibilidade de veto ou sanção do presidente ao índice de 7,7% para as aposentadorias acima de um salário mínimo, setores da base aliada viam com preocupação o fato de haver vários projetos de reajuste de servidores públicos pendentes de votação. O temor é de que a sanção possa provocar uma pressão muito grande para que esse projetos sejam aprovados agora.

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza, disse que continuará tentando segurar a aprovação desses projetos. "O reajuste dos aposentados é uma questão pontual. Não se trata de uma questão geral", disse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.