Magno Malta e Alfredo Nascimento discutem o desligamento da legenda da base aliada ao governo Dilma

selo

O líder do PR no Senado, Magno Malta (ES), e o presidente nacional do partido, senador Alfredo Nascimento (AM), estão reunidos na tarde de hoje para discutir o desligamento da legenda da base aliada ao governo no Congresso. Malta resiste ao anúncio e defende a continuidade da aliança.

"Eu não sou criança para anunciar outra coisa agora, eu sou homem de uma palavra só", protestou Malta, afirmando que ninguém manda nele. O líder do PR mantém um cargo no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit): Maurício Malta, irmão de Magno Malta, é assessor parlamentar da autarquia. Sobre isso, o senador declarou que se trata de um cargo técnico que está "à disposição da presidente Dilma Rousseff".

Além de Malta, o vice-líder do PR, senador Clésio Andrade (MG) e outros senadores da legenda também resistem à saída do PR da base aliada. O PR tem 41 deputados federais e sete senadores. Malta lembrou que na última semana anunciou no plenário o desligamento do PR do bloco governista no Senado. Isso significava apenas a desvinculação do bloco liderado pelo PT (que ainda abrange PR, PSB, PCdoB e PRB), mantendo o partido na condição de "apoio crítico" ao governo.

O anúncio de independência a ser feito por Nascimento significaria o rompimento dos laços, com a devolução de todos os cargos remanescentes do PR no governo. O pronunciamento de Nascimento está previsto para ser realizado ao final das votações do dia no plenário, as quais deverão se estender até tarde na noite de hoje.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.