Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA) diz acreditar na permanência do prefeito de São Paulo no partido

O líder do DEM na Câmara, Antônio Carlos Magalhães Neto (BA), reuniu-se na semana passada com o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, em Brasília e concluiu que ele não fechou as portas para uma possível permanência no partido.

"Kassab não está 100% decidido que irá deixar o partido", disse ACM Neto. Ele e Kassab almoçaram juntos na quinta-feira. "Foi uma conversa muito boa. Na medida que o diálogo aumenta no partido, ele se sente mais à vontade em ficar", completou.

Neto referiu-se à disputa interna entre os grupos liderados por Rodrigo Maia (RJ), atual presidente do DEM, e por Jorge Bornhausen (SC), ex-presidente. Kassab é aliado de Bornhausen e defendeu a tese de fusão com o PMDB no fim do ano passado.

Como foi derrotado, o prefeito de São Paulo teve de voltar a dialogar com a corrente liderada por Neto e Maia. Apesar de considerar remota, Kassab não descarta ficar no DEM caso não viabilize seu projeto político no PMDB ou no PSB.

Prefeito de São Paulo desde 2005 quando herdou a cadeira de José Serra (PSDB) que renunciou para disputar o governo do Estado, Kassab foi reeleito em 2008. Na oportunidade, bateu Marta Suplicy (PT) no segundo turno.

Na oportunidade, porém, foi decisivo derrotar Geraldo Alckmin (PSDB). Então favorito, o tucano não conseguiu chegar ao segundo turno. No entanto, dois anos depois, Alckmin venceu no primeiro turno a disputa do governo do Estado de São Paulo e voltou ao comando do Palácio do Bandeirantes.

Com isso, o tucano de novo está barrando os objetivos de Kassab, cujo projeto é tentar ser governador do Estado em 2014. Como não tem espaço na oposição, o prefeito de São Paulo decidiu se aproximar de presidenta Dilma Rousseff para tentar se consolidar como alternativa ao PT.

Não se trata de uma tarefa fácil. Apesar de ter as portas abertas nos governistas PMDB e PSB, Kassab enfrenta resistência de petistas. Na semana passada, a direção do PT paulistano negou fazer alianças com o prefeito.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.