Kassab atua para garantir a presidência da Câmara de São Paulo

Neste fim de semana, prefeito paulista se reúne com candidatos para propor chapa única no dia da votação

Nara Alves, iG São Paulo |

A Câmara Municipal de São Paulo completa hoje 450 anos de existência em clima de disputa. O motivo é a eleição para a presidência da Casa, marcada para o dia 15 de dezembro. O prefeito paulista, Gilberto Kassab, empenha-se para garantir a vitória de seu candidato e, para isso, marcou para este fim de semana uma reunião com os dois principais postulantes ao cargo, José Police Neto (PSDB) e Milton Leite (DEM), para propor chapa única.

Embora pertença ao DEM e presida o diretório estadual da sigla, Kassab apoia o tucano contra o candidato de seu próprio partido. Com o apoio, o prefeito pretende derrotar a bancada de 10 vereadores do PT e desarticular o chamado “centrão” - bloco de 16 dos 55 parlamentares das legendas PR, PMDB, PTB, PV e PP - que se uniu ao PT para derrotar Police Neto.

Para Kassab, que articula sua ida para o PMDB no início de 2011, a vitória de Leite seria, além de uma demonstração de força, uma ajuda para fazer seu sucessor em 2012 . Isso porque o presidente da Câmara controla a pauta de votação e um orçamento anual de R$ 453 milhões. De quebra, ele ganha mais um argumento para se gabaritar à disputa pelo governo de São Paulo em 2014.

AE
Kassab participa da cerimônia de premiação do Concurso de Promoção da Saúde Bucal

Tanto o bloco que apoia Leite como o que apoia Police Neto garantem que têm condições de vencer o pleito e que não vão retirar a candidatura, como é cogitado. Para o líder do PT na Câmara, José Américo, um acordo neste fim de semana é improvável. “Police rompeu a trégua que propusemos na semana passada. Isso gerou um ambiente de desconfiança”, disse. Américo se referia ao acordo para amenizar as divergências após 50 dias sem votar projetos relevantes para a aprovação do orçamento de R$ 35 bilhões para a cidade em 2011.

Em meio à disputa, Kassab teria oferecido ao PR as secretarias de Esportes e de Participação e Parceria. Ao PC do B, o prefeito também teria oferecido uma pasta. Nos bastidores, opositores brincam que Kassab prometeu tantas secretarias que criou o “overbooking político”.

O presidente da Câmara, Antonio Carlos Rodrigues (PR), já anunciou que nenhum outro projeto será votado neste ano. As 78 propostas que deveriam ser levadas ao plenário antes do recesso de janeiro serão adiadas para o próximo ano, incluindo os projetos de concessão dos relógios de rua e abrigos de ônibus e outras 42 leis de melhorias urbanas.

*Com informações da Agência Estado

    Leia tudo sobre: KassabDEMPTPSDBCâmaraPMDB

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG