Prefeito de São Paulo evita queda de movimento para criação do novo partido com apoio da família do ministro Edison Lobão

O lançamento do novo partido do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, na Bahia e na capital paulista ajudou a reverter a perda de força do movimento em alguns Estados. No Amazonas, o governador Omar Aziz (PMN) negou que irá para o PSD. Kassab, porém, retomou conversas no Acre, Goiás, Rio de Janeiro e já garantiu a formação de um diretório no Maranhão.

“Vou levar minha mãe para o partido do Kassab”, disse o senador Edison Lobão Filho (PMDB-MA). Ele é filho do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB). A mãe de Lobão Filho é a deputada federal Nice Lobão, que ficou no DEM mesmo depois que pai e filho saíram da sigla. Lobão Filho deixou o partido em fevereiro de 2008.

“Acho que vamos levar pelo menos mais quatro ou cinco deputados estaduais”, afirmou o senador. Segundo Lobão, o objetivo é fazer com que a deputada Nice seja a presidenta do PSD no Maranhão. “Estamos conversando, mas as coisas já estão bastante encaminhadas. Minha mãe é a única deputada do DEM no Maranhão atualmente”, concluiu.

No Acre, Kassab tenta reconquistar o apoio do senador Sérgio Petecão (PMN-AC). Na semana passada, o congressista havia dito ao iG que o movimento do novo partido havia “murchado” . Petecão também reclamou que Kassab deixou de procurá-lo. “Ele falou comigo apenas uma vez antes do Carnaval”, disse.

Na terça-feira, Kassab voltou a conversar com  Petecão. “O prefeito me telefonou para retomar as conversas. Ele fez um relato sobre os eventos realizados em São Paulo e na Bahia”, disse o senador. “Em seguida, perguntou qual era a minha posição. Sou de um partido pequeno e tenho um projeto de ser candidato a governador. Preciso avaliar com calma”, disse.

No Rio de Janeiro, Kassab ganhou um reforço importante. Candidato a vice-presidente na chapa de José Serra (PSDB) em 2010, o ex-deputado federal Indio da Costa (DEM) elogiou o lançamento do PSD por meio do Twitter. Ele aproveitou a oportunidade para criticar o deputado Rodrigo Maia (RJ), que controla o DEM no Rio de Janeiro.

Os problemas de Kassab, porém, são maiores em São Paulo onde não conseguiu atrair todos os deputados do DEM. Ainda viu um dos seus aliados históricos, o deputado Rodrigo Garcia (DEM-SP), se comprometer a permanecer no seu atual partido. Dos deputados estaduais paulistas apenas vão se ajuntar a Kassab: Rita Passos (PV) e Milton Vieira (DEM).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.