Jucá diz que deixará liderança do governo no Senado sem mágoa

Renan Calheiros, líder do PMDB, informou que partido vai indicar Jucá para a relatoria-geral da proposta de Orçamento da União

iG São Paulo |

O senador Romero Jucá (PMDB-RR) informou que deixará nesta terça-feira o cargo de líder do governo no Senado. “Deixarei a liderança hoje. O Palácio (do Planalto) vai confirmar o rodízio de líderes hoje”, disse o parlamentar em mensagem de celular enviada à Agência Brasil. A presidenta Dilma Rousseff vai indicar o senador Eduardo Braga (PMDB-AM) para substituí-lo .

Leia também: Dilma substitui Romero Jucá por Eduardo Braga

Agência Brasil
Senadores Romero Jucá e Eduardo Braga conversam durante sessão da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado

Ele disse que deixa a liderança sem mágoa. “Não saio magoado. Houve uma confusão entre a minha saída e a votação da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres)." Na semana passada, os senadores derrubaram a indicação de Bernardo Figueiredo, indicado pela presidenta, para mais um mandato como diretor-geral da agência reguladora . Jucá destacou que, no dia da votação, fez o que pôde para conseguir a aprovação do nome de Figueiredo.

Agora, segundo Jucá, caberá ao novo líder do governo, Eduardo Braga (PMDB-AM), construir a unidade da base aliada, em especial do PMDB, em torno das propostas do governo. Para isso, o partido terá de dirimir as divergências com o chamado G8, grupo de senadores peemedebistas que tem votado contra algumas propostas do Executivo. “Espero que as insatisfações sejam contidas.”

Jucá voltou a dizer que é importante a presidenta Dilma converse pessoalmente com as bancadas, para conter essa insatisfação, que existe não apenas no PMDB, mas também em outros partidos da base, na Câmara e no Senado. “O governo tem que aprimorar suas relações políticas buscando uma relação de entendimento. Essa decisão já foi tomada pela presidenta, e ela vai ouvir as bancadas”, afirmou Jucá.

O senador Eduardo Braga, apontado como substituto de Jucá, disse que não falará sobre o assunto até que o seu nome seja formalizado pelo Palácio do Planalto. Como parlamentar, entretanto, ele fez alguns comentários sobre as relações entre a base aliada e o Executivo e sobre a situação no PMDB. Na opinião de Braga, não há qualquer dificuldade em unificar a base governista, pois há margem para dialogar e construir, além de muita predisposição para isso entre as duas partes.

Poder Online: Jucá diz ter sido pego de surpresa com dispensa da liderança

Quanto ao ambiente político no PMDB, o senador disse que o momento é de “muita conversa”. “Há esperança de que consigamos construir a unidade partidária. Nosso esforço é pela unidade no PMDB – eu venho lutando por isso há mais de um ano."

Eduardo Braga defendeu uma interlocução mais ampla com o Executivo e disse que é o que tem feito desde que assumiu o mandato parlamentar. “Poderemos trabalhar melhor a interlocução [de parlamentares] com a presidenta Dilma e até ampliá-la. É o que espero construir, não como líder, mas como companheiro e alguém da base aliada."

Mais cedo, o líder do PMDB na Casa, Renan Calheiros (AL), informou que o partido vai indicar Jucá para a relatoria-geral da proposta de Orçamento da União para 2013.

"É com muita honra que decidimos indicar o Romero (Jucá) para ser o relator da Comissão Mista de Orçamento. O cargo pertence ao PMDB e por isso decidimos convidá-lo", disse Renan, acrescentando que o maior desafio do novo líder do governo no Senado é buscar a unidade no partido. "O movimento (no PMDB) vem no sentido de unidade e precisa ser cada vez mais estimulado.”

De acordo com Renan, Dilma estava querendo estabelecer um sistema de rodízio nas lideranças do governo. Integrantes da bancada admitem que o senador Eduardo Braga terá que conversar muito para conseguir essa unidade. Uma de suas primeiras tarefas, de acordo com os parlamentares, é convencer a presidenta a conversar diretamente com a bancada.

Também nesta terça-feira, o líder do governo na Câmara, Cândido Vacarezza, confirmou que está deixando seu cargo , depois de uma conversa com a presidenta Dilma , como antecipou a coluna Poder Online . Segundo o deputado, ainda não foi definido seu substituto. Seis nomes estariam sendo cogitados .

Com Agência Brasil

    Leia tudo sobre: romero jucádilma rousseffeduardo bragasenadopmdbpt

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG