Italianos protestam contra permanência de Battisti no Brasil

Nos arredores da embaixada do Brasil em Roma, também havia cartazes que defendiam a permanência de Cesare Battisti longe da Itália

Agência Brasil |

As principais cidades italianas foram palco nesta quarta-feira (4) de protestos contra a decisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de não entregar Cesare Battisti ao governo da Itália. Entre os manifestantes, estavam parentes das vítimas de crimes atribuídos ao italiano, parlamentares e cidadãos comuns críticos à decisão.

Em Milão, os protestos ocorreram em dois momentos: pela manhã, enquanto o primeiro-ministro, Silvio Berlusconi, recebia o filho de uma das vítimas, Alberto Torregiani, no aeroporto militar da cidade; depois, cerca de 100 integrantes da Liga Norte, partido de extrema direita aliado do governo, fizeram uma manifestação diante da sede do consulado do Brasil.

Faixas com a palavra “vergonha” foram coladas diante do prédio. Outro cartaz continha a imagem de Andrea Campagna, policial morto em 1979 em crime atribuído a Battisti, e, abaixo, uma foto de Battisti com os dizeres em inglês: “Procurado vivo ou morto”. Manifestantes gritavam: “Battisti matou os homens, Lula matou a justiça” e “Battisti e Lula, o assassino e o seu cúmplice”.

O ministro da Defesa italiano, Ignazio La Russa, presente na manifestação em Milão e uma da vozes mais importantes do governo Berlusconi, disse que a decisão de Lula foi uma “traição”. “Foi uma punhalada pelas costas, feita no último segundo, um presente aos extremistas do seu partido. Eu não creio que a grande maioria de brasileiros queira encontrar na rua um homem manchado de sangue e condenado por quatro crimes”, declarou.

Em Turim – onde fica a sede da Associação das Vitimas de Terrorismo na Itália, militantes do Partido Liberal, de Berlusconi, acenaram com bandeiras italianas sob uma grande faixa na qual se lia “Brasil, cúmplice dos terroristas – extradição agora”.

Na Praça Navona, em Roma, em frente à Embaixada do Brasil, a polícia reforçou a segurança por causa dos protestos, que reuniram parlamentares, militantes dos partidos de centro-direita e parentes de vítimas. Nos arredores da embaixada, também havia cartazes que defendiam a permanência de Cesare Battisti longe da Itália. Eles continham a assinatura de um grupo chamado Militant e traziam slogans como “a perseguição acabou” e agradeciam a “coragem” de Lula.

O dia foi movimentado também nos corredores da sede do Ministério de Relações Exteriores da Itália, em Roma. O chanceler Franco Frattini antecipou sua volta a Roma da pausa de fim de ano e se encontrou com o embaixador italiano no Brasil, Gherardo La Francesca, que foi chamado para receber novas instruções. A reunião contou ainda com a participação do representante italiano na União Europeia e serviu para avaliar melhor a repercussão do caso Battisti diante dos membros da comunidade europeia.

    Leia tudo sobre: battistiitáliaprotestosextradição

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG