Itália retira embaixador do Brasil, diz jornal italiano

Berlusconi afirma que Itália vai insistir na extradição de Battisti. Para Ministro da Defesa, decisão do Brasil é ofensiva

iG São Paulo |

O Ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, anunciou nesta sexta-feira que vai retirar temporariamente seu embaixador no Brasil, Gherardo La Francesca, informou o jornal italiano "La Repubblica", um dos mais importantes do País.

A decisão ocorre após o Brasil anunciar que não extraditará o ex-ativista italiano Cesare Battisti, condenado em seu País por assassinato. O nome desta retirada, tecnicamente, é chamar o embaixador para consultas. Na escala diplomática, é uma das medidas mais drásticas que um País pode tomar em relação a outro. Embora os funcionários da embaixada continuem no Brasil, na prática as relações estão congeladas. A medida mais grave, que acaba com as relações entre dois países, é fechar a embaixada.

O primeiro-ministro italiano, Silivio Berlusconi, criticou o governo do presidente Lula por, segundo ele, dar asilo a um assassino: "Expresso minha profunda tristeza e pesar pela decisão tomada pelo presidente Lula ao negar a extradição deste assassino de tantas pessoas, Cesare Battisti, apesar dos repetidos apelos e pressões em todos os níveis do lado italiano. É uma opção contrária ao mais elementar sentido de justiça". Em mensagem às famílias das pessoas mortas por Battisti, Berlusconi disse que não vai desistir da extradição: "Expresso às famílias das vítimas a minha solidariedade, minha proximidade e o compromisso de continuar a batalha, para que Battisti seja entregue à Justiça italiana. Consideramos a questão longe de estar fechado. A Itália não vai desistir e vai fazer valer os seus direitos em todos os locais ". Já o presidente do País, Giorgio Napolitano, disse que recebeu a notícia com "amargura e contrariedade" e classificou a decisão de Lula como "incompreensível".

Mais específico que Berlusconi, o ministro das Relações Exteriores da Itália disse que vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal brasileiro. "Vamos usar, imediatamente, todas as medidas possíveis oferecidas pelo sistema jurídico no Brasil para obter o quanto antes uma nova decisão sobre Battisti", informou Frattini, para quem a decisão do governo brasileiro contradiz princípios fundamentais do direito e ofende os familiares e a memória das vítimas de Battisti. O governo italiano informou, inclusive, que vai procurar a presidenta eleita, Dilma Rousseff.

O ministro da Defesa, Ignazio La Russa, por sua vez, foi bem menos diplomático que seus colegas de governo. Ele classificou a decisão brasileira como “gravemente ofensiva” e “injusta” e disse que o Brasil confirmou as piores previsões da Itália. Para o filho de uma das vítimas do grupo de Battisti, Alberto Torregiani, chegou a hora de a Itália abandonar uma atitude que ele classifica como branda demais em relação ao Brasil. “A partir de agora vamos usar mão de ferro”, pediu Torregiani.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG