Impasse até entre aliados na votação do pré-sal

PSDB exige votação imediata da divisão dos royalties do pré-sal, mas o DEM aceita negociar com governo em troca do Ficha Limpa

Ana Paula Leitão, iG Brasília |

Divergências entre o PMDB e o DEM criam mais um impasse sobre a votação do pré-sal no Senado Federal. A bancada do PSDB decidiu, após reunião na tarde de ontem, exigir a votação da distribuição dos royalties do petróleo junto aos outros projetos de capitalização da Petrobras, de Fundo Social e da Petro-Sal. Já os democratas e o governo se mostram a favor de votar os royalties após as eleições.

As bancadas governistas já tinham concordado em discutir a chamada emenda Ibsen Pinheiro - em alusão ao deputado autor da proposta aprovada na Câmara - apenas depois de outubro. A mesma posição apoiada pelo DEM, que está interessado em votar o quanto antes, no Senado, o projeto da Ficha Limpa, uma das bandeiras atuais do partido, já aprovada na Cãmara.

"O país já criou expectativas para a votação dos royalties, os prefeitos vêm para fazer marcha em Brasília. A questão é enfrentar logo o problema", disse o líder do PSDB, o senador Arthur Vigilio (AM), que defende a votação dos relatórios antes das eleições. O senador garantiu que está aberto para discutir soluções para o Rio de Janeiro e o Espírito Santo na partilha dos royalties.

Até o momento, a oposição exigia apenas o fim do regime de urgência dos quatro projetos do pré-sal. O líder do governo, senador Romero Jucá, assegurou estar disposto a negociar o caráter de urgência dos projetos, caso seja feita uma agenda de votações. "Os democratas já caminham para o entendimento, eles querem acordo".

Apesar das discordâncias entre os partidos de oposição, o líder do DEM, o senador José Agripino, afirmou que discussões serão travadas nos próximos dias em busca de um acordo. "O DEM e o PSDB sempre andaram juntos, nós vamos buscar a sintonia".

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG