Haddad nega fazer campanha durante expediente

Pré-candidato do PT à Prefeitura ficou irritado ao ser perguntado se não estava em atividade partidária durante o expediente

AE |

selo

Pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad ficou irritado ontem ao ser perguntado se não estava em atividade partidária durante o expediente de ministro da Educação. O questionamento foi feito quando ele participava de uma reunião do mandato do vereador Ítalo Cardoso, líder do PT na Câmara Municipal.

AE
Fernando Haddad durante evento em São Paulo no dia 30 de setembro de 2011

Haddad viajou para São Paulo na quinta-feira, para a festa de aniversário do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva , principal defensor de sua candidatura a prefeito. A gravação da manhã de sexta-feira, segundo Haddad, era do PT, mas não teria relação com sua candidatura. "Gravei até as 9h e fui trabalhar. Depois vim para cá (Câmara)", disse.

Questionado sobre onde estaria trabalhando, ele afirmou que despacha de sua casa e da Unifesp, na zona sul, e ofereceu o celular para mostrar as ligações. "Como eu trabalhei sábado e domingo em Brasília, que são dias de folga, eu tirei a manhã para fazer a gravação."

Oposição

Durante a reunião do mandato de Ítalo Cardoso, Haddad fez discurso de candidato de oposição à gestão do prefeito Gilberto Kassab (PSD). Diante de uma plateia de militantes petistas, criticou as administrações do PSDB e de Kassab na Prefeitura.

"Qual o principal projeto de São Paulo hoje? Tirar os outdoors. É esse nosso cartão de visita?", questionou, citando a Lei Cidade Limpa, principal bandeira da primeira gestão de Kassab. "Como nós, paulistanos, vamos enfrentar o debate da globalização para atrair inteligência, economia de ponta e emprego de qualidade? Hoje, nós não temos o que apresentar."

E tentou animar a plateia de militantes. "As pessoas falam: São Paulo é conservadora, nós não vamos ganhar. Será? A cidade já elegeu um negro, uma nordestina, uma mulher de elite que veio para o PT e um turco. Já elegeu gente muito diferente. São Paulo está aberta." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG