Tamanho do texto

Presidenta envia ministro. Evento das centrais sindicais em SP teve a presença dos tucanos Aécio e Alckmin, além de Kassab

Recuperando-se de um resfriado, a presidenta Dilma Rousseff faltou às comemorações do Dia do Trabalho neste 1º de maio em São Paulo. Cinco meses depois da posse de Dilma e após uma tensa negociação em torno do salário mínimo, lideranças sindicais subiram ao palco com uma lista de reivindicações que irá pautar os próximos embates com a administração petista.

No palanque, estiveram lideranças tucanas como o senador mineiro Aécio Neves e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin . O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, também marcou sua presença.

Na Sé, manifestantes usam boneco de Dilma para pedir reajuste para servidores
AE
Na Sé, manifestantes usam boneco de Dilma para pedir reajuste para servidores

Segundo informou o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi (PDT), ficou acertado um rodízio entre os ministros para representar a presidenta nas festividades de hoje. Segundo o ministro, Dilma está sobrecarregada, "despachando, inclusive, aos sábados e domingos no Palácio do Planalto".

Desde que tomou a vacina contra a gripe , na última segunda-feira, Dilma cancelou parte dos compromissos e teve a maior parte da agenda ocupada por “despachos internos”.

Na sexta-feira, a presidenta era esperada no Fórum Econômico Mundial para América Latina, no Rio de Janeiro, mas não compareceu. Uma reunião com o ministro da Aviação Civil, Wagner Bitterncourt, marcada para às 15h, foi adiada para a próxima segunda-feira. Sua presença também foi confirmada no evento das centrais sindicais pelo Cerimonial da Presidência, mas na tarde de sexta a organização foi informada de que ela seria representada por Lupi, segundo o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves.

Festa em SP

Líderes do governo e da oposição participaram das festividades na capital paulista promovidas pela Força Sindical, UGT, CTB, CGTB e Nova Central, na Avenida Marquês de São Vicente, zona oeste da capital.

Evento em São Paulo teve o senador tucano Aécio Neves (MG) e ministro do Trabalho, Carlos Lupi
AE
Evento em São Paulo teve o senador tucano Aécio Neves (MG) e ministro do Trabalho, Carlos Lupi

O ministro comentou que as festividades de 1º de maio são uma boa oportunidade para conscientizar empresas e trabalhadores sobre a necessidade de equipamentos de segurança no trabalho. "Perto de 4% do total de trabalhadores ativos têm problemas de acidentes no trabalho, alguns até mais graves, como casos de mutilação", comentou.

Segundo Lupi, o ministério vai firmar, na próxima terça-feira, convênio com o Tribunal Superior do Trabalho (TST) para divulgar os direitos dos trabalhadores e os deveres das empresas com relação aos equipamentos de proteção no trabalho. "São campanhas educativas. Não queremos criar uma 'indústria de multas". Segundo ele, a punição às empresas deve ser o último recurso no caminho da conscientização sobre a necessidade de se evitar acidentes de trabalho.

(Com Agência Estado e Agência Brasil)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.