Governo cobrará fidelidade da base na votação do mínimo

Segundo Vaccarezza, serão considerados 'dissidentes da base' todos aqueles que votarem diferente da proposta de R$ 545

AE |

selo

AE
Cândido Vaccarezza, líder do governo na Câmara, afirmou que proposta a ser seguida é de R$ 545
O governo vai cobrar fidelidade da base aliada e exigir que os parlamentares votem a favor de R$ 545 como valor de reajuste do salário mínimo na próxima quarta-feira. O líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou que vai considerar como "dissidentes da base" todos aqueles que votarem diferente da proposta de R$ 545.

"A orientação do governo é uma só: todos devem votar a favor da proposta de reajuste do salário mínimo no valor de R$ 545. A oposição pode até apresentar outras emendas, mas a proposta que governo apoia é apenas essa: R$ 545. E vamos cobrar da base que vote a favor disso", disse Vaccarezza, afirmando que o deputado Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho (PT-SP), será o relator da proposta.

Dentro da base governista, existem setores que defendem um reajuste maior do que o valor apresentado pelo governo. Representantes do PMDB, PC do B, PDT e até do PT avaliam que o salário defendido pelo governo poderia ser maior. Além disso, há outros grupos da base que podem aproveitar a votação para mostrar sua insatisfação por não terem sido contemplados com nomeações para o segundo escalão do governo.

Pelo menos uma emenda mais elevada será apresentada por um integrante da base governista. O deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força Sindical, defende que o mínimo suba para R$ 560. Os partidos de oposição defendem reajustes até mais altos. O DEM quer R$ 565 e o PSDB propõe R$ 600. Mas os dois partidos aceitam até apoiar a emenda dos R$ 560.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG