Na primeira grande votação da nova legislatura, senadores se estranham e protagonizam escorregadas no plenário

Durante a sessão que aprovou o salário mínimo de R$ 545 , a primeira grande votação da nova legislatura no Senado, alguns congressistas se estranharam. Ao longo das cerca de nove horas de discursos e embates, vários deles mais inflamados, os parlamentares cometeram diversas gafes.

O senador tucano Mário Couto
AE
O senador tucano Mário Couto
Babador

Dono de um dos discursos mais eloquentes desta quarta-feira, o senador Mário Couto (PSDB-PA) teve de tirar um lenço do bolso para limpar o entorno de sua boca e seu rosto. “Lá vem a baba. Quando a democracia está ameaçada eu babo demais", justificou ao microfone.

Couto argumentava contra o artigo 3º do projeto que define que os reajustes serão conferidos por decreto presidencial, e não passarão pelo Congresso. Esse artigo, segundo ele, vai contra a Constituição brasileira e, por isso, é uma ameaça à democracia.

Senadora quem?

Assumindo as funções de presidenta da sessão na ausência de José Sarey (PMDB-AP), a senadora Marta Suplicy (PT-SP) passou pelo constrangimento de, ao que tudo indicava, desconhecer ou ter esquecido do nome da líder do PSOL. Ao solicitar à Mesa a oportunidade de falar em nome da bancada, Marinor Brito (PSOL-PA) não informou seu nome. "Obrigada, senadora...., disse Marta, que em seguida permaneceu em silêncio por vários segundos até, aparentemente, ter sido lembrada por algum assessor. "...Marinor Brito, obrigada", concluiu.

Itamar e Sarney conversam na Mesa
AE
Itamar e Sarney conversam na Mesa
Pai não é padrasto

A senadora Kátia Abreu (DEM-TO) aproveitou seu discurso para fazer um alerta sobre a ameaça de retorno da inflação. Na fala, atribuiu ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP) a implementação do Plano Real. Sentado e atento, o também ex-presidente Itamar Franco (PPS-MG) logo se levantou e pediu a palavra para reclamar. “Eu não poderia me calar”, disse Itamar. José Sarney tratou de amenizar os danos: “Todo mundo sabe que o Plano Real foi implantado no governo de Itamar Franco”.

O regimento

Boa parte das discussões que ocorreram no Senado não foram exatamente em torno do salário mínimo, mas sim sobre o regimento. Depois de uma confusão sobre as regras de votação na Casa, a senadora Marinor fez questão de ressaltar para Sarney que, embora novata, conhecia o regimento.

Experiente, Sarney, que está em seu terceiro mandato à frente do Senado, ironizou. "A senhora é mais feliz do que eu que estou aqui há 30 anos e ainda não sei o regimento". Poucos minutos depois, quando todos estavam votando, Sarney lembrou que o regimento o impede de votar. Em seguida, ouviu a seguinte provocação: "Já que o senhor conhece pouco o regimento, pode votar".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.