Força Sindical pede 'afastamento imediato' de Palocci

'Entendemos que o ministro Palocci ainda deve explicações ao povo brasileiro', diz a nota divulgada pela entidade

iG São Paulo |

A Força Sindical, entidade aliada ao governo de Dilma Rousseff , pediu em nota oficial assinada por seu presidente, Paulo Pereira da Silva, o "afastamento imediato" do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci. No fim de maio, Paulinho da Força já havia pedido o afastamento de Palocci e havia sugerido que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva assumisse o cargo.

"O imediato afastamento do ministro só trará benefícios para o País, que vive um bom momento econômico, com pleno emprego e sinais de controle inflacionário, mas começa a sentir a paralisia política do governo devido às incertezas que cercam o atual ocupante da Casa Civil do Palácio do Planalto", diz a nota.

No documento, divulgado no início da tarde de desta segunda-feira, a Força Sindical justifica o pedido de afastamento afirmando que sua permanência no governo "vai, com certeza, dificultar as ações governamentais, contaminando uma agenda positiva instruída a dar rumo ao crescimento econômico, à diminuição da pobreza e ao fortalecimento da democracia por uma sociedade mais justa".

Há 22 dias, o ministro está sob ataques da oposição e de setores da base aliada por causa do rápido aumento de patrimônio, que levantou suspeitas de enriquecimento ilícito. De 2007 até o fim do ano passado, ele multiplicou seu patrimônio por 20, informação confirmada pelo ministro na entrevista que concedeu ao Jornal Nacional de sexta-feira, quando pela primeira vez deu explicações públicas sobre o caso.

"Entendemos que o ministro Palocci ainda deve explicações ao povo brasileiro, visto que, sendo servidor público de alto escalão, deve servir de exemplo e ser pautado pela ética, pela transparência e pela moralidade pública", diz o documento. Para a entidade sindical, a credibilidade do ministro está se "deteriorando".

Mais tarde, em Curitiba, Paulinho disse que Palocci "passou a atrapalhar a vida do País". "É melhor para o Brasil ele se afastar, se explicar fora do governo, para que o País possa continuar crescendo", disse. De acordo com o deputado, Palocci vive uma "situação difícil".

"Ele errou, primeiro porque deveria ter dado entrevista coletiva, segundo porque demorou muito para esclarecer, e não explicou nada", reforçou Paulinho. "Do nosso ponto de vista, isso só complicou." Pessoalmente, o presidente da Força Sindical disse que não ficou convencido da inocência de Palocci. "Não entendo como alguém compra um apartamento de R$ 6,6 milhões, não entendo como alguém enriquece tão rápido", afirmou.

*Com informações da Agência Estado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG