Dirigentes da central afirmam que vão deixar partidos da base aliada de Dilma Rousseff para montar núcleo sindical dos tucanos

O senador tucado Aécio Neves: atração de membros da Força Sindical enfraquece base sindical do governo de Dilma Rousseff
AE
O senador tucado Aécio Neves: atração de membros da Força Sindical enfraquece base sindical do governo de Dilma Rousseff
A Força Sindical de Minas Gerais se prepara para uma filiação em massa ao PSDB. O evento está marcado para 20 de agosto, na sede do PSDB de Minas Gerais, região centro-sul de Belo Horizonte, com as presenças do governador Antonio Anastasia e do senador Aécio Neves , principais lideranças tucanas no Estado.

Na ocasião, cerca de 130 dirigentes sindicais irão se filiar ao PSDB, conta o presidente da Força em Minas, Rogério Fernandes, que deixa o PDT - e a base do governo de Dilma Rousseff -  para integrar os quadros tucanos. Ele diz que os dirigentes de 70 cidades deixam não apenas o PDT, como ele, mas também o PMDB e o PTB.

Leia também: De olho em 2014, Aécio age para montar rede de apoio em Minas

“Nesse primeiro momento serão filiadas 130 pessoas, dirigentes. O Brasil precisa avançar nas políticas públicas. Apoiei Aécio e Anastasia, mas é cedo para dizer quem vamos apoiar em 2014. A Força é plural. Não existe apenas uma corrente”, explica o dirigente. A Força em Minas reúne cerca de 200 sindicatos, com aproximadamente 30 diretores cada um.

No plano nacional, a Força é base do governo Dilma. Com a filiação em massa em Minas, a entidade sinaliza que parte da sua base está mudando de rumo. “São movimentos de apoio ao senador Aécio Neves. Entendemos ser importante para o PSDB olhar para a questão sindical”, diz o presidente do PSDB de Belo Horizonte, deputado estadual João Leite.

Apesar de negar a vinculação da filiação em massa ao projeto presidencial de Aécio em 2014, o dirigente da Força em Minas diz ser simpático à candidatura do mineiro ao Palácio do Planalto na próxima eleição. “Vejo com certa simpatia a candidatura do Aécio. Ele está se estabilizando e tem um projeto político viável para o País. O Estado arrecada muito e é ineficiente na aplicação dos recursos. O País deve muito à população”, avalia Fernandes. Ele conta que pretende criar um braço no PSDB mineiro, o PSDB Sindical, que já existe em São Paulo. Dirigentes do PSDB Sindical de São Paulo devem comparecer ao evento em Belo Horizonte.

Vejo com certa simpatia a candidatura do Aécio. Ele está se estabilizando e tem um projeto político viável para o País. O Estado arrecada muito e é ineficiente na aplicação dos recursos”, diz sindicalista

Questionado sobre o impacto que a filiação pode ter na Força nacionalmente, o dirigente mineiro diz que Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, presidente nacional da entidade e deputado federal pelo PDT, “respeita muito a pluralidade e não vai perseguir” os novos tucanos. Paulinho é parte da base aliada, é filiado ao PDT e tem muita influência no Ministério do Trabalho. A pasta é comandada por Carlos Lupi , presidente nacional da sigla.

Paulinho foi procurado pelo iG e demonstrou surpresa ao ser informado sobre a revoada da Força mineira para o ninho tucano. Ele pediu para a reportagem retornar em uma hora, na tarde de sexta-feira (22), pois iria se inteirar do assunto. Depois não atendeu mais as ligações.

João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical no Brasil, considerou normal a movimentação da entidade em Minas. Ele disse que a Força não tem nenhum critério de direcionamento político e que é incentivada a participação do trabalhador em qualquer partido político. “O que garante a unidade são decisões em congressos, para debater apoios nas eleições municipais, estaduais e presidenciais. Isso não significa uma divisão na Força, pois possuímos muitos segmentos.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.