Filiado ao PSOL é presidente de fundação do governo de Minas

Jorge Periquito era do PRTB, entrou na sigla socialista e ocupa cargo em governo do PSDB. Ele diz que sigla dá autonomia a filiado

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Fruto de dissidentes do PT, o PSOL geralmente faz oposição a partidos considerados de direita, centro ou centro-direita, como o PSDB. Geralmente. Em Minas Gerais, um integrante do segundo escalão do governo Antonio Anastasia (PSDB) acaba de se filiar ao PSOL, após desentendimentos internos com sua legenda, o PRTB. Jorge Periquito é presidente da Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais (Utramig), cargo para o qual o governo pode nomear sem necessidade de concurso público. Ele se filiou ao PSOL nesta semana e afirma que vai propor um entendimento com os tucanos em congresso nacional do PSOL em São Paulo, daqui a dois meses.

Divulgação
Periquito e o governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, durante a campanha de 2010: ele tentou ser deputado federal, perdeu e ganhou cargo no governo
“Existe uma orientação nacional de ser oposição sistêmica e haverá uma discussão para deixar de ser assim. Este assunto está sendo discutido. Tem uma pendência interna. O governador (Anastasia) sabe da minha movimentação”, disse Periquito, que disputou a prefeitura de Belo Horizonte pelo nanico PRTB em 2008. Questionado sobre o motivo de escolher o PSOL, Periquito disse que o partido deixa seus filiados terem autonomia de escolha.

Leia também: Tucano de Mato Grosso ganha cargo de estatal de Minas para trabalhar no Rio

O presidente do PSOL em Minas, João Batista, afirmou ao iG que o PSOL é radicalmente contra os governos da presidenta Dilma Rousseff (PT), de Anastasia e do prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB). Bandeiras do PSOL foram vistas em manifestações de professores, durante a a greve que durou mais de 100 dias e acabou recentemente . Bandeiras do PSOL também foram vistas durante manifestação recente contra o prefeito Lacerda , quando a prefeitura acabou pichada. Ele disse também que foi Periquito quem procurou o PSOL.

Existe uma orientação nacional de ser oposição sistêmica e haverá uma discussão para deixar de ser assim. Este assunto está sendo discutido. Tem uma pendência interna", diz Periquito

“Sabemos que ele é um servidor concursado, mas, se tiver cargo de confiança, terá que entregar. A posição dele não é a posição do partido. Se ele for vinculado ao governo Anastasia vai ter que desvincular. Quando eu fiz a filiação dele apresentei todo o posicionamento do partido”, disse João Batista ao iG . Sobre a sucessão municipal em Belo Horizonte, o dirigente do PSOL em Minas disse que decisões sairão do congresso nacional da legenda em São Paulo, no mês de dezembro.

Procurado pelo iG para comentar o assunto, o secretário do governo Anastasia, Danilo de Castro, não foi encontrado. O presidente do PSDB mineiro, deputado federal Marcus Pestana, ao ser questionado sobre o espaço para o PSOL no governo tucano, disse que se tratava de uma novidade, pois nunca foi abordado sobre este assunto. “As pessoas têm liberdade. Isso mostra o caráter democrático do governo Anastasia e a gente não fica conduzindo nem controlando as pessoas. Cada um tem suas convicções", disse ele.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG