FHC divide PMDB e governo

FH disse ao iG que governo Dilma é ponto de interrogação, o que foi aceito, em parte, pelo PMDB

Severino Motta e Ana Paula Leitão, iG Brasília |

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso dividiu o PMDB e o governo ao avaliar a gestão da presidente Dilma Rousseff. Classificando-a como um ponto de interrogação , o antigo chefe da nação encontrou ressonância na sigla que fez a sustentação das administrações do Brasil desde sua redemocratização.

O líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), disse ao iG que essa “interrogação” a que FHC se refere devia se dar frente à articulação política do governo, considerada por ele ruim, havendo, de um lado, um ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, superpoderoso e, por outro, o responsável pelas Relações Institucionais, Luiz Sérgio, sem capacidade de decisão.

“A economia está estável, o PIB cresce, gera emprego, renda, a inflação está controlada. O governo vai bem, o que falta, talvez seja essa a interrogação, é a articulação política. E se for bem na economia e não na articulação há problemas. Mas, agora, corrigiu o mal, pois havia muito poder no (Antônio) Palocci. Com Gleisi (Hoffmann) e Ideli (Salvatti) vai melhorar”, disse.

Outro peemedebista que comentou a entrevista de FHC ao iG foi o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), que ocupou o ministério das Comunicações no governo tucano. De acordo com ele, é natural se ter dúvidas de uma administração quando ela está em seu início.

“Todo começo de governo cria expectativa, então é natural esse ponto de interrogação. A Dilma tem apenas quatro meses de governo, que está sendo montado ainda. Quando o Lula foi para o segundo mandato, havia o julgamento do que ele tinha feito na gestão passada. No caso da Dilma, é diferente. Não dá para cobrar resultado de quem assumiu o governo agora”, destacou.

Fora do PMDB e rumo ao partido da presidenta, a ideia de um ponto de interrogação é fortemente combatida. Para o líder do PT na Câmara, Paulo Teixeira (SP), a atual gestão é, na verdade, um ponto de exclamação.

“Estamos felizes com o resultado do governo. Temos distribuição de renda, um programa para combater a miséria, a economia cresce. O discurso do FHC é de quem tem dificuldade de reconhecer o sucesso, nosso governo é um ponto de exclamação”, disse.

Na oposição, senadores e deputados fizeram coro à avaliação de FHC. O líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR), disse que o governo é claudicante, inseguro e confuso. “A presidente é inepta na articulação política, tem uma equipe fraca. O Fernando Henrique tem toda razão”< disse.

Outro a concordar com FHC foi presidente do PPS, deputado Roberto Freire (PE). “O ponto de interrogação é uma incerteza, concordo com FHC nisso. Ainda é muito cedo para anunciar fracasso, mas já é tempo suficiente para duvidar de algum sucesso”.

    Leia tudo sobre: FHCDilmaponto de interrogaçãoPMDB

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG