Explicações de Palocci são 'perfeitamente aceitáveis', diz Costa

"As explicações dadas pelo ministro são perfeitamente aceitáveis para o governo e para a sociedade”, diz líder do PT no Senado

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Líder do PT no Senado, Humberto Costa (PT-PE) defendeu na tarde desta quinta-feira (19) o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, que virou alvo de polêmica por ter multiplicado seu patrimônio nos últimos anos. “As explicações dadas pelo ministro são perfeitamente aceitáveis para o governo e para a sociedade”, afirmou Costa. O líder petista veio a Belo Horizonte para debater com deputados estaduais o tema da reforma política.

Futura Press
Líder do PT no Senado minimizou polêmica que cerca o chefe da Casa Civil
De acordo com o senador petista, o governo não tem nenhuma objeção a que o ministro da Casa Civil vá ao Congresso Nacional, para se explicar. “Mas o nosso entendimento é que, até o presente momento, nada há que justifique o depoimento do Palocci”, afirmou o petista, em referência à operação montada ontem pelo Planalto para evitar que requerimentos convocando o ministro a prestar esclarecimentos fossem aprovados.

“Foram várias questões levantadas, muitas verdadeiras, o ministro tinha uma empresa, que prestou consultoria e teve um faturamento. Isso é verdadeiro. No entanto, outras questões levantadas são ilações. A não ser que haja algo formal, não há motivos para convocar o ministro”, avaliou, lembrando que a Procuradoria-Geral da República avalia o caso e que é "natural" a oposição ao cobrar respostas.

Questionado sobre a prática de ministros manterem empresas de consultoria, o líder do PT no Senado respondeu que a legislação prevê impedimento de agentes públicos serem sócios de empresas apenas em caso de conflito de interesse. “A lei diz claramente que havendo riscos de relacionamento, da empresa com o poder público, é preciso se afastar da empresa."

    Leia tudo sobre: antonio paloccicrisehumberto costapt

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG