Escolha de interino para o Esporte é 'mais provável', diz governo

Gilberto Carvalho confirma saída de Orlando Silva e afirma que opção deve ser por um substituto temporário

iG São Paulo |

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, confirmou no fim da tarde desta quarta-feira que o ministro do Esporte, Orlando Silva, está fora do cargo . O anúncio ocorre após mais de seis horas de reuniões e negociações para definir os detalhes da troca de comando na pasta, antecipada na manhã desta quarta-feira pela coluna Poder Online .

Leia também:
- Pressionado, Orlando Silva deixa o Mnistério do Esporte
- Poder Online: Orlando Silva deixa o comando do ministério
- Saída foi pensada para preservar autoridade da presidenta Dilma

Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, Carvalho confirmou também a informação de que o governo poderá optar por um substituto interino para o ministro, como informou o iG pela manhã . “É o mais provável”, afirmou Carvalho, reafirmando também a informação de que a pasta deve continuar sob comando do PC do B.

Agência Brasil
Gilberto Carvalho confirmou saída após mais de seis horas de discussões para formalizar saída

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência evitou citar nomes de possíveis substitutos. Ao longo do dia, foram ventilados opções como os do deputado Aldo Rebelo (SP) e do presidente da Embratur, Flávio Dino (PC do B-MA), e da ex-prefeita de Olinda Luciana Santos (PC do B-PE). Se o governo optar por manter o secretário-executivo no posto em caráter temporário, a vaga pode ficar com Waldemar Manoel Silva de Souza (PC do B-RJ).

"Orlando teve uma atitude madura. Eu respeito e louvo a atitude do PCdoB", disse Carvalho, relatando a conversa que teve na manhã de hoje com Orlando Silva e com o presidente do PC do B, Renato Rabelo.

A forma como se dará a saída de Orlando Silva, segundo Carvalho, ainda será acertada na reunião marcada para o fim do dia entre o ministro e a presidenta Dilma Rousseff . O encontro estava marcado inicialmente para as 17h30, logo após audiência da presidenta com a direção do grupo PSA Peugeot Citröen.

Carvalho afirmou que a decisão de trocar o comando do ministério foi tomada em grande parte em decorrência da abertura de uma investigação sobre o caso no Supremo Tribunal Federal. “A abertura de inquérito pelo Supremo foi fator determinante para a mudança da situação”, disse o ministro.

*Com informações da Agência Estado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG