Em São Paulo, Kassab lança PSD e admite aproximação com Dilma

Prefeito afirmou que a saída do DEM foi motivada por conta do partido ir 'sempre contra o Planalto'

Nara Alves, iG São Paulo |

O prefeito de São Paulo Gilberto Kassab lançou na capital paulista o Partido Social Democrático (PSD) ao lado do vice-governador Guilherme Afif Domingos. Em um ato político na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), nesta segunda-feira (21), Kassab admitiu que a criação do novo partido simboliza uma aproximação com a presidenta Dilma Rousseff . “Essa aproximação sempre existiu e essa é a razão da minha saída do DEM. Eu me sinto desconfortável num partido que quer votar sempre contra porque é contra. Acima dos partidos vêm os interesses do País.”

O prefeito afirmou que estará a favor dos projetos que acredita “ser o melhor para o País” e que torce para que Dilma faça um bom governo. O vice-governador de São Paulo, que está encarregado de elaborar o estatuto do partido, também apontou que o nascimento do PSD o aproxima do Planalto. “Não nascemos para ser contra. Nascemos para ser a favor do desenvolvimento brasileiro”.

Kassab voltou a afirmar que não deixará a oposição, uma vez que o partido é independente no âmbito nacional. Já na esfera estadual, o prefeito ressaltou que manterá o compromisso com o PSDB e o governo de Geraldo Alckmin (PSDB). Ele classificou a aliança com os tucanos de “indestrutível”. “Somos aliados até o final da gestão ( Alckmin )”. “O partido não pode nascer aprisionado, exigindo que compromissos sejam desfeitos”, justificou.

Negando que o partido tenha sido criado com o objetivo de se fundir ao PSB de Eduardo Campos ou ao PMDB de Michel Temer - os dois partidos que fizeram o convite -, o prefeito disse que o partido veio para ficar. “Essa é a largada de um partido que veio para ficar, não veio para fazer a fusão, veio para disputar as eleições de 2012, sozinho ou coligado ( a outros partidos ).”

Um correligionários de Kassab, Cláudio Lembo destacou que o partido tem novas diretrizes. “Não trazemos os defeitos do passado, dos partidos pré-existentes”, pontuou.

AE
Afif e Kassab anunciaram a desfiliação do DEM na sexta-feira
Filiações


Nesta segunda-feira, diversos deputados federais, prefeitos e vereadores assinaram a lista de filiação do PSD. Entre eles, o ex-governador Cláudio Lembo, a deputada federal Rita Passos, o deputado federal Walter Ihoshi, o deputado federal Milton Vieira, o deputado federal Guilherme Campos, o deputado federal Junji Abe, o deputado federal Marcelo Aguiar, o deputado federal Eleuses Paiva, vereador e secretário municipal Marcos Cintra, o deputada federal Zulaiê Cobra, o deputado federal Jorginho Maluly, entre outros.

O deputado Protógenes Queiroz (PC do B) também esteve presente no ato na Assembléia mas afirmou que foi apenas para prestigiar o prefeito. O recém-eleito deputado afirmou uma filiação ao PSD aconteceria somente se fosse “candidato a prefeito”.

Ontem, no primeiro evento do novo partido cinco deputados federais da Bahia e dezena de prefeitos anunciaram que se filiarão ao partido de Kassab.

Protesto

Durante os 3 minutos iniciais do evento, manifestantes protestaram contra o aumento da tarifa de ônibus, que subiu de R$ 2,70 para R$ 3. Cerca de 20 estudantes ergueram faixas e aos gritos, pediram ao prefeito que negociasse o valor da tarifa. O Movimento Passe Livre apoiado pelo PT e outro partidos da oposição em São Paulo, vem organizando vários protestos contra o prefeito.

Hoje, a pesquisa Datafolha divulgada hoje mostra que o aumento da tarifa contribuiu para a piora no desempenho da aprovação da gestão Kassab. Na pesquisa, o governo de Kassab foi avaliado como ruim ou péssimo por 43% dos entrevistados. A taxa anterior, medida em novembro de 2010, era de 31%.


    Leia tudo sobre: kassabPSDAfif

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG