O ex-governador criticou o 'tititi' em torno da criação do novo partido e procurou manter distância do prefeito durante evento

No primeiro encontro público com o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (ex-DEM), desde o anúncio da criação do PSD, o candidato derrotado à Presidência José Serra (PSDB) evitou fazer qualquer comentário sobre o novo partido, idealizado pelo prefeito. "Eu não vou falar agora. Desculpa, tem muito tititi e o tititi não acaba", disse Serra, padrinho político de Kassab.

Convidado pelo governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB), Serra participou, ao lado de Kassab, da inauguração da estação Butantã do metrô, na zona oeste da capital paulista. Logo depois, os três estiveram presentes na cerimônia de posse da nova diretoria da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), berço político de Kassab e do vice-governador Guilherme Afif Domingos, de saída do DEM para fundar o PSD.

AE
Antes do evento na Associação Comercial, prefeito e ex-governador estiveram juntos em inauguração do metrô
Em nenhum momento ao longo do evento na Associação Comercial, que durou cerca de três horas, Serra e Kassab conversaram em público. Nos bastidores, no entanto, os dois têm se falado com frequência, de acordo com interloutores do tucano. Serra tem investido internamente na versão de que a criação do PSD não o favorece, uma vez que a saída de Kassab do DEM enfraqueceria a oposição.

Serra parou para falar - ao pé do ouvido - apenas com Afif, mas se negou a revelar o conteúdo da conversa com o vice-governador. "Estou com a agenda cheia, preciso ir", desviou. Desde que perdeu as eleições para Dilma Rousseff , o tucano não assumiu nenhum cargo público. Ele afirma que tem se dedicado a escrever. Ao mesmo tempo, articula dentro do PSDB para garantir o controle das eleições de 2012.

Improviso

Serra mostrou-se surpreso ao ser convocado para falar ao microfone pelo mestre de cerimônias durante o evento da ACSP, no clube Monte Líbano, zona sul da capital paulista. "Eu?", perguntou, ao aceitar o convite. "Achei que nosso moderador tinha se equivocado", disse.

De improviso, o tucano ressaltou que a associação não utiliza dinheiro público, lembrou dos projetos apresentados pelo órgão em outubro de 2010, quando foi candidato à presidência da República, e elogiou o novo presidente da Associação Comercial, Rogério Amato, que foi secretário de Desenvolvimento Social na gestão de Serra em São Paulo.

O tucano também divertiu a plateia com piadas sobre futebol, como fazia quando candidato. "A família Amato só tem um defeito. É uma família italiana e, no entanto, de corintianos", brincou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.