Em nota, presidente do PSDB procura negar crise em São Paulo

Sérgio Guerra divulgou nota à imprensa na qual diz que dissidentes na capital já estavam alinhados ao prefeito Kassab

AE |

selo

O presidente nacional do PSDB, deputado federal Sérgio Guerra (PE), enviou hoje nota à imprensa na qual nega que a sigla enfrente uma crise em São Paulo. O parlamentar ressaltou que os tucanos que deixaram nas últimas semanas o partido estavam no PSDB, mas não votaram com o partido nas eleições municipais de 2008, quando apoiaram a reeleição do atual prefeito Gilberto Kassab.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin , era o candidato do PSDB naquele pleito. "Neste momento, o PSDB promove convenções estaduais e municipais, como fazem todos os partidos", ressaltou. "Em praticamente todas, há acordos. Em alguns casos, há negociações e até disputas. Nada disso indica crise", acrescentou.

O líder tucano atribuiu a saída do secretário municipal de Esportes e Lazer, Walter Feldman, da legenda a divergências da época do pleito. "Na cidade de São Paulo, alguns vereadores deixaram o partido. Estavam no PSDB, mas, nas eleições municipais, não votaram conosco", afirmou. "No caso Walter Feldman, as divergências também são dessa época e apenas se consumaram agora", emendou.

O presidente do PSDB ressaltou que o governador de São Paulo tem uma gestão aprovada e que a sigla "confia que a sua liderança levará o partido à vitória nas próximas eleições". "Tampouco há qualquer quebra de ética em nosso partido. A ética discutível está na formação de partidos que reúnem adesismo, conveniências em torno de projetos pessoais e mudança de lado", alfinetou.

    Leia tudo sobre: PSDBcriseguerra

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG