Em nome de parceria, Alckmin poupa governo Dilma

Governador destacou "trabalhos conjuntos" do Estado e da União ao evitar críticas ao governo petista

AE |

selo

AE
Governador optou por manter tom ameno em relação ao governo federal
Enquanto políticos tucanos fazem duras críticas ao governo federal, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), evitou comentar a avalanche de denúncias que atinge a administração Dilma Rousseff . Indagado sobre os recentes escândalos nos ministérios dos Transportes, Agricultura e Turismo, Alckmin admitiu hoje, em Araraquara (SP), que evita "ficar reiteradamente fazendo críticas" a Dilma e, dentre as justificativas para a postura, citou a parceria entre os governos federal e paulista, principalmente em obras.

"A população brasileira sabe entender e acredito no julgamento popular. A tarefa mais importante nossa é trabalhar bem e fazer um ( bom ) trabalho", disse. "E nós temos vários trabalhos conjuntos com o governo federal", complementou o governador, citando obras paulistas tocadas juntamente com a administração Dilma, como o Rodoanel norte e a hidrovia Tietê-Paraná.

Em nome dessa parceria administrativa, Alckmin amenizou até mesmo a forte queda na avaliação do governo e da própria presidente Dilma, apontada hoje pela pesquisa CNI Ibope. Segundo o levantamento, a avaliação pessoal de Dilma caiu de 73% para 67% e a do governo recuou de 56% para 48% ante a pesquisa anterior, do mês de março. "Acho que é uma boa avaliação e nós torcemos para a presidente, pelo seu governo, pelo seu trabalho. São Paulo é parceiro do Brasil e essas oscilações são normais", disse Alckmin.

Em relação às denúncias sobre ministros do PMDB, Alckmin, que tem o apoio de políticos do partido no Estado, também evitou polêmicas. "Isso é assunto federal, a presidente tem espírito público e saberá resolver essas questões", avaliou.

Crise

Até mesmo quando demonstrou preocupação com a ameaça de uma nova crise mundial, o governador de São Paulo procurou afagar a presidente Dilma. Segundo ele, a economia mundial vive momento de incerteza, "mas o Brasil está bem".

"Vamos torcer para que a economia mundial caminhe para o País crescer bastante", avaliou Alckmin, brincando: "É um momento estranho. Na minha terra ( Pindamonhangaba-SP ) se dizia que vaca não está reconhecendo bezerro".

Alckmin visitou hoje a unidade da Big Dutchman, de fabricação de equipamentos para a criação de frangos e suínos, em Araraquara, que será inaugurada hoje. Ainda na cidade paulista, o governador visita também a unidade da Iesa, companhia que assina um protocolo de intenções com a Hitachi para futura produção de trens, inaugura um batalhão da Polícia Militar (PM) e encerra o dia em uma visita ao Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

    Leia tudo sobre: ECONOMICOPOLITICA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG