Em Minas, Jefferson diz que Aécio é candidato do seu coração

Pivô do escândalo do mensalão, deputado cassado declara apoio a senador em 2014. Ele também quer mudança no processo no STF

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Denise Motta/iG
Roberto Jefferson, após receber a medalha em Minas Gerais
Roberto Jefferson, deputado federal cassado que revelou o esquema de mensalão no Congresso Nacional e será julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu nesta quinta-feira (10) desmembramento do caso. Ele argumentou que, dos 40 réus, muitos não têm foro privilegiado.

Leia também: Presidente da Assembleia de Minas dá medalha a si mesmo. Jefferson também ganha

“Tem muita gente que não tinha foro privilegiado e pode ser prejudicada por uma só instância. Há pressão do foro único. O Supremo deveria levar em consideração a tese de desmembrar os processos para que cada um tivesse a oportunidade de se defender em dois graus de jurisdição”, destacou em solenidade promovida pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais, onde foi agraciado com a Medalha do Mérito Legislativo ao lado de políticos, incluindo o ministro dos Transportes, Sérgio Passos.

Jefferson teve o pedido de desmembramento do processo do mensalão negado pela então presidenta do STF, Ellen Gracie, em 2007. Ele calcula que o julgamento não deve ocorrer nos próximos nove meses, em função da proximidade com o período eleitoral.

Em 2012, há eleições municipais e o presidente nacional do PTB acredita que o STF seja influenciado por pressões políticas. “Não será julgada ano que vem, é muito em cima da eleição. Haverá pressões políticas e o Supremo é sensível a essas pressões. Eu creio que este julgamento ou virá no segundo semestre de 2012 ou depois das eleições, em 2013”.

O dirigente do PTB ainda fez uma alusão ao mensalão ao comentar as sucessivas crises em ministérios da presidenta Dilma Rousseff (PT). “O mensalão foi o prelúdio. Hoje estamos vivendo a história toda”. E completou com uma das citações mais frequentes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT): “Nunca antes na história deste país nós tivemos uma coleção tão grande de escândalos sucessivos. A Dilma recebeu uma herança muito pesada, mas tenho certeza que ela vai virar isso para construir uma estrutura em torno de si”.

Aécio presidente

Não só faço campanha, mas faço de coração. O Aécio é a esperança do Brasil. Se for candidato, é o meu candidato”

O ex-deputado ainda destacou que torce para que o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) viabilize sua candidatura à Presidência da República em 2014. “O Serra teve a oportunidade de construir o discurso de oposição e não construiu. Ele se lançou, perdeu e desarticulou a oposição. Nós não estamos alinhados com o PT. Vamos nos preparar para a construção da candidatura nova que vem aí. Aécio vai levar Minas à conciliação nacional. A coisa está muito paulista. Eu penso que essa fase dos tucanos paulistas passou”. Questionado se faria campanha por Aécio, ele respondeu: “Não só faço campanha, mas faço de coração. O Aécio é a esperança do Brasil. Se for candidato, é o meu candidato.”

    Leia tudo sobre: roberto jeffersonmensalãoaécio neves

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG