Em discurso amplo, Dilma mandou "recados", dizem analistas

A presidenta se comparou ao ex-presidente Lula quando disse que é a primeira mulher a subir a rampa do Palácio

BBC Brasil |

AE
A presidenta Dilma Rousseff durante discurso na sua posse: temas variados e nenhuma ênfase pontual
Em seu primeiro pronunciamento como presidenta do Brasil, Dilma Rousseff privilegiou um texto sem foco em temas específicos, o que resultou em uma mensagem "um tanto ampla", na avaliação de especialistas ouvidos pela BBC Brasil. A avaliação é de que Dilma mencionou praticamente "todos os temas" relevantes para o país na atualidade durante o discurso no Congresso, mas sem estabelecer compromissos.

"Ouvimos um discurso amplo, com uma quantidade enorme de temas, mas sem ênfases pontuais", diz Leonardo Barreto, cientista político e professor da Universidade de Brasília (UNB). Segundo ele, um dos "poucos momentos" de ênfase ocorreu na menção à reforma tributária, classificada como "inadiável" pela nova presidenta."Ela falou de praticamente tudo, mas muito rapidamente. Falou de economia, política externa, da questão social, mas sempre de forma muito cuidadosa, sem grandes compromissos", diz o professor.

Simbolismos

Na opinião do consultor político Carlos Manhanelli, a preferência por "abraçar" os mais variados temas acabou resultando em uma fala "linear", ou seja, "sem grandes pontos de emoção". "Mesmo um discurso político, feito no Congresso, poderia ter tido um toque mais emotivo", diz. Mas apesar de "genérico", o texto lido pela presidente Dilma Rousseff no Congresso Nacional refletiu alguns "simbolismos" referentes à nova ocupante do Palácio do Planalto.

"O principal deles é, sem dúvida, o fato de uma mulher estar subindo a rampa do Palácio do Planalto. Nesse sentido, Dilma tenta se comparar ao ex-presidente Lula, que durante sua posse chamou atenção para o fato de ter sido o primeiro metalúrgico eleito", diz. Ainda de acordo com Manhanelli, Dilma Rousseff também reforçou a ideia de que "não pode errar", à semelhança do recado dado por Lula nos últimos anos. "De certa forma, são discursos parecidos. Assim como Lula, Dilma busca enfatizar um fato inédito como forma de dar maior destaque à sua eleição", acrescenta o especialista.

Situação 'confortável'

Na avaliação dos analistas ouvidos pela BBC Brasil, Dilma Rousseff toma posse em um momento "bastante favorável" ao país, com a estabilidade econômica e indicadores positivos. A situação é diferente daquela vivenciada por Lula em 2003, quando o então presidente eleito precisava "conquistar a confiança" da elite empresarial, tanto no Brasil como no exterior. "Dilma assume em um momento mais favorável, sem ter que se explicar muito do ponto de vista econômico", diz Manhanelli.

Barreto lembra ainda que o discurso de Lula, em 2003, teve um forte cunho de mudança, com a promessa de um "novo caminho" para o país. "Já no caso de Dilma, a questão principal do discurso é a continuidade da política de seu antecessor, o que reduz ainda mais a possibilidade de grandes novidades no discurso", diz o professor da UNB.

Recados

Apesar da generalidade do discurso, os analistas ouvidos pela BBC Brasil apontam alguns "recados" dados pela presidente Dilma Rousseff em seu primeiro pronunciamento. Um dos mais fortes foi na menção a sua história como ativista política durante o regime militar, quando foi presa e torturada. Dilma disse não "carregar ressentimentos ou rancor", acrescentando ainda que não haveria "retaliações" durante seu governo.

"Esse não deixa de ser um recado importante aos militares, uma tentativa de minimizar eventuais rusgas", diz Manhanelli. Já o professor da UNB chama atenção para o trecho em que Dilma "estende a mão à oposição", sugerindo certa "generosidade" àqueles que não a apoiaram durante a campanha. "Senti falta de um afago aos deputados e senadores, sobretudo em um momento delicado na relação entre o novo governo e o Legislativo", diz Barreto.

    Leia tudo sobre: DiscuroDilmaanalistasmensagensrecados

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG