Vereador diz não saber quem foi o autor dos pagamentos, mas confirma autenticidade do documento

selo

O vereador de São Paulo Agnaldo Timóteo (PR) enviou uma carta a um antigo amigo, Geraldo de Souza Amorim, em que menciona a cobrança, por "oportunistas" de seu partido, de propina de R$ 300 mil mensais. O dinheiro seria uma mesada para que Amorim pudesse administrar a Feira da Madrugada, que reúne comerciantes ambulantes na região central da capital paulista.

Vereador cita
AE
Vereador cita "oportunistas" de seu partido na carta
No documento, que foi registrado em cartório e teve firma reconhecida, Timóteo cita o deputado federal Valdemar Costa Neto, também do PR, e dá a entender que Amorim perdeu o comando da feira por ter enfrentado o parlamentar. "Os maus conselheiros te levaram a peitar o Waldemar ( sic ) e, lamentavelmente, te ajudaram a perder sua galinha com ovos de ouro. Que pena!".

Amorim foi sócio da GSA, empresa que obteve, em 2004, permissão da antiga estatal Rede Ferroviária Federal (RFFSA) para montar a feira em um terreno do espólio da empresa. Em 2010, a GSA foi afastada da administração do negócio.

Na carta, Timóteo questiona o empresário sobre as reuniões com o ex-ministro Alfredo Nascimento (PR) e com o prefeito Gilberto Kassab. "Você se lembra, Geraldo, que os oportunistas do meu partido te exigiram R$ 300 mil mensais? E eu pergunto: te pedi alguma coisa para levá-lo ao nosso ministro? Te pedi alguma coisa para te levar à mesa do prefeito Kassab?".

Timóteo garante que o empresário não lhe contou quem foi o autor do pedido de propina, mas confirmou que o empresário fez campanha para sua eleição em 2008. Sobre a carta, que foi motivada pela exoneração da filha de Amorim do gabinete do vereador, ele afirmou: "É uma carta autêntica. São palavras absolutamente verdadeiras. Fui eu quem escrevi". O vereador afirmou que encontrou Valdemar "ensandecido" quando alguém lhe disse que Amorim estaria usando o terreno de maneira indevida.

O documento fez o deputado federal Ivan Valente (PSOL) protocolar uma representação no Ministério Público Federal pedindo investigação do caso. "A carta é de uma gravidade muito grande e complica a vida de políticos do PR", afirmou. Valdemar nega a cobrança de propina. Amorim não foi encontrado para comentar o caso. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.