Em Belo Horizonte, corrida municipal mascara interesses em 2014

De olho nas disputas do governo e Presidência, PT e PSDB tentam, cada um de seu lado, reeditar a aliança com o PSB

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Belo Horizonte protagonizou em 2008 uma aliança entre petistas e tucanos em torno do atual prefeito, Marcio Lacerda (PSB), de olho nas eleições de 2010. Atualmente, os dois principais padrinhos do casamento do prefeito trabalham para mantê-lo no cargo depois de 2012, cada um com um interesse diferente, mas ambos de olho nas eleições de 2014. O senador Aécio Neves (PSDB-MG) mira a Presidência da República. O ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel (PT), o governo de Minas.

Nesta equação, o PSB de Lacerda é a noiva desejada que pode participar de ambos os projetos. O prefeito evita falar sobre as articulações para não prejudicar sua gestão, mas revelou no começo deste ano ao jornal Estado de Minas como se sente na história. “Já viu aquele casal que se separa e cada um quer levar o filho para o seu lado? Então, eu sou aquele filho que não quer que os pais se separem e pede: vamos ficar todo mundo junto?”.

AE
Aliança que pautou a eleição de 2008 em Minas Gerais agora alimenta a queda de braço entre potenciais candidatos em 2014

O presidente municipal do PSDB, deputado estadual João Leite, acredita que o PSB possa fechar acordo em torno do nome de Aécio para 2014, dando apoio a ele na corrida ao Palácio do Planalto. Assim, o PSDB poderia indicar um candidato a vice de Lacerda. O nome é o do deputado federal Rodrigo de Castro, secretário-geral do PSDB nacional. Acontece que, desta forma, o PT ficaria de fora da vaga de vice, hoje ocupada por Roberto Carvalho. As articulações podem, entretanto, envolver a candidatura de Pimentel ao governo do Estado em 2014 pelo PT, com apoio do PSB. Lacerda já avisou que não pretende disputar o governo contra Pimentel.

O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (SE), avisou na última quinta-feira que está a cargo de Aécio a interlocução com os envolvidos. Também participam das negociações o presidente estadual do PSDB, Marcus Pestana, e o municipal, João Leite. Pelo PT estão envolvidos o deputado federal Reginaldo Lopes e o próprio ministro Pimentel, além do atual vice-prefeito, Roberto Carvalho. Já pelo PSB, Lacerda delegou a missão ao ex-ministro de Relações Institucionais e Turismo do governo Lula, Walfrido dos Mares Guia, defensor da manutenção da aliança entre petistas e tucanos em torno do atual prefeito.

Divisão

Do lado petista, existem três alas. Uma defende a candidatura de Roberto Carvalho à prefeitura. São petistas ligados ao deputado estadual Rogério Correia, líder do bloco de oposição ao governo Antonio Anastasia (PSDB) na Assembleia Legislativa, “Minas Sem Censura”, e também ao deputado federal Padre João. Já os petistas ligados ao ex-ministro de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, defenderiam a manutenção da aliança com o PSB de Lacerda, mas com exclusão dos tucanos. Isso para garantir sustentação do PSB à reeleição da presidenta Dilma Rousseff em 2014.

A lógica desse grupo segue a linha do PSDB municipal, que atrela a disputa municipal de 2012 à sucessão presidencial de 2014. Patrus não se envolve abertamente nas discussões, mas tem manifestado que não pretende disputar a prefeitura. Outro grupo do PT é a favor da aliança entre tucanos e petistas em torno do PSB. Este grupo de petistas é ligado ao ministro Pimentel, antecessor de Lacerda. Pimentel já declarou sua simpatia pela manutenção da dobradinha e poderia, com isso, fechar apoio do PSB para disputar a sucessão estadual de 2014.

Adversários

Nesse meio tempo, partidos vêm lançando nomes e balões de ensaio, para ganhar musculatura na disputa por espaços na aliança. Ex-presidente do PSDB mineiro, o deputado federal licenciado Narcio Rodrigues, diz que o PSDB precisa apresentar um nome. “Mesmo que no futuro nos leve a um recuo, não há casamento sem pretendentes”, argumenta ele, que hoje é secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Anastásia.

Lacerda deverá enfrentar o PMDB, mas pode ficar livre da disputa com o PC do B. Essas duas legendas possuem nomes fortes como dos deputados federais Leonardo Quintão (PMDB) e Jô Moraes (PC do B). Juntos no segundo turno em 2008, os dois quase derrotaram Lacerda.

O PC do B deve abrir mão da disputa porque o PSB apoiará a candidatura à Prefeitura de Porto Alegre da deputada federal Manuela D'Ávila. Um outro partido que pode lançar candidatos é o PV. Entre os nomes cotados está o do deputado estadual Délio Malheiros, advogado muito ativo na defesa dos direitos dos consumidores.

    Leia tudo sobre: eleições 2012minas geraisbelo horizontepsdbpsbpt

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG